Líderes europeus aprovam reforma da zona euro

Chefes de Estado e de Governo da zona euro aprovaram medidas que visam o aprofundamento da União Económica e Monetária.

Seis meses após o fracasso da última Cimeira do Euro, os chefes de Estado e de Governo da zona euro aprovaram esta sexta-feira um pacote de instrumentos para o aprofundamento da União Económica e Monetária (UEM). Ainda que longe da reforma ambicionada pelo líder do Eurogrupo, Mário Centeno, os líderes dos Estados-membros avançaram com medidas como o reforço do papel do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE).

“A Cimeira do Euro aprova todos os elementos do relatório do Eurogrupo aos dirigentes sobre o aprofundamento da UEM, que foi preparado em formato inclusivo. Este pacote global abre o caminho a um reforço significativo da UEM”, sinalizou o Conselho Europeu em comunicado de imprensa.

Os líderes europeus acordaram os termos de referência do mecanismo de apoio comum ao Fundo Único de Resolução (FUR) e “que estabelecem a forma como o mecanismo será posto em prática e antecipado desde que tenham sido realizados progressos suficientes na redução dos riscos, a avaliar em 2020”.

“Aprovamos também a ficha descritiva da reforma do MEE. Neste contexto, solicitamos ao Eurogrupo que prepare as alterações necessárias ao Tratado MEE (incluindo o mecanismo de apoio comum ao FUR) até junho de 2019”, esclarece.

Os líderes da zona euro referem ainda que “exortamos à prossecução dos trabalhos sobre a União Bancária e à realização de progressos ambiciosos no tocante à União dos Mercados de Capitais até à primavera de 2019, conforme delineado no relatório do Eurogrupo aos dirigentes”.

“No contexto do quadro financeiro plurianual (QFP), mandatamos o Eurogrupo para trabalhar sobre a conceção, as modalidades de execução e o calendário de um instrumento orçamental de convergência e competitividade para a área do euro, e os Estados-membros do MTC II a título voluntário. Este instrumento fará parte do orçamento da UE, será coerente com as outras políticas da UE, e ficará sujeito aos critérios e orientações estratégicas dos Estados-membros da área do euro”, conclui.

O cenário já era esperado depois da maratona de negociações de 18 horas entre os ministros das Finanças, na última reunião de 4 de dezembro, e na carta convite para a Cimeira do Euro, enviada aos líderes dos Estados-membros, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, já tinha lançado o repto. “Devemos adotar decisões concretas, tal como prometido em junho passado”, disse.

Na última reunião do Eurogrupo, os ministros das Finanças concordaram em reforçar o papel do MEE com o objetivo de aprofundar as capacidades de prevenção e resolução de crises da zona euro, assim como aumentar a eficácia dos instrumentos de precaução do MEE. Acordaram ainda o apoio ao Fundo Europeu de Resolução como forma de “reforçar a credibilidade da UEM”, ao dotá-lo de maior capacidade financeira.

Relacionadas

Eurogrupo chega a acordo sobre reforma da zona euro

“Devo dizer que conseguimos. Depois de vários meses de intensas negociações e de uma reunião difícil, chegámos a um acordo sobre um plano para fortalecer o euro. Um plano que tem o aval de todos nós”, disse Mário Centeno.

Respostas rápidas: O que foi decidido sobre a reforma da zona euro?

Líder do Eurogrupo, Mário Centeno, anunciou esta terça-feira que os Estados-membros chegaram a acordo após uma maratona de negociações de 18 horas.

Centeno sobre a zona euro: “O caminho está traçado” mas ainda há “pontas soltas”

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, considerou hoje que a zona euro está mais bem equipada para lidar com uma futura crise, quando ela chegar, depois das reformas acordadas que exigiram “concessões de todos” os países, mas adverte que a “reforma não acaba aqui”.

Brexit, migrações e alterações climáticas vão marcar último Conselho Europeu do ano

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, quer debater a possibilidade de o Reino Unido deixar a UE sem acordo e traçar novas metas para o combate às alterações climáticas e aos problemas desencadeados pelas migrações.
Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários