Lidl avança com medidas contra o excesso de plástico em Portugal

Cadeia germânica de distribuição vai descontinuar do seu sortido os artigos de plástico descartável, tais como copos e pratos descartáveis nas suas mais de 250 lojas em Portugal, já a partir de agosto.

Depois de o Lidl ter anunciado em Portugal a sua intenção de reduzir em 20% a utilização de plástico até ao ano de 2025, o primeiro passo será “descontinuar do seu sortido os artigos de plástico descartável,  tais como copos e pratos descartáveis nas suas mais de 250 lojas em Portugal, já a partir de agosto”.

“Estes artigos serão substituídos por produtos em material alternativo e reciclável, nos quais a empresa está atualmente a trabalhar em conjunto com os seus fornecedores. Numa segunda fase, o Lidl pretende ainda substituir as palhinhas e talheres nos seus produtos de conveniência e bebidas”, avança um, comunicado do Lidl.

“Procuramos seguir uma abordagem clara quanto à nossa estratégia relativa aos plásticos, isto é: Evitar – Reduzir – Reciclar. Com o descontinuar da venda de artigos em plástico descartável evitamos a utilização deste material e contribuímos, assim, para uma melhoria do nosso balanço em matéria de plásticos”, afirma Bruno Pereira, administrador de compras do Lidl Portugal.

Segundo referido comunicado, “o Lidl Portugal irá escoar os artigos de plástico descartável já adquiridos para depois implementar gradualmente os produtos feitos de materiais alternativos ao plástico”, acrescentando que, “desta forma vai ser possível aos clientes continuarem a ter acesso aos artigos que lhes são familiares”

O mesmo comunicado adianta que, “em Portugal o Lidl tem vindo a adotar diversas iniciativas com vista à redução de plástico”.

“Têm vindo a ser feitas reduções nas embalagens das cápsulas de café, deixando estas de ter um invólucro de plástico por cápsula e passando a ter embalagens mais pequenas para o mesmo número de cápsulas. Estas alterações fazem prever  uma poupança de cerca de 74 toneladas de plástico apenas neste produto em um ano”, destaca o Lidl.

O grupo alemã de distribuição sublinha que “foi reduzida também a quantidade de plástico usada por embalagem nos seus frutos secos, sem impacto no conteúdo em qualidade e quantidade”.

“Têm vindo ainda a ser disponibilizados artigos não embalados ou a granel na secção de frutas e legumes, padaria e frutos secos. No caso dos têxteis, tem ocorrido uma substituição das embalagens de plástico por embalagens de cartão”, refere o comunicado.

Do lado da sensibilização dos consumidores, o Lidl salienta que se juntou às associações ambientais ABAE, Amb3e, Quercus e Agência Portuguesa do Ambiente no combate ao plástico nas praias portuguesas com o projeto de verão TransforMAR.

“Este tem o objetivo de sensibilizar a população e recolher plástico que, em vez de acabar a poluir o mar, será reciclado e transformado em equipamentos integrados de atividade física para equipar as respetivas praias”, explica o comunicado do Lidl.

Bruno Pereira destaca ainda que: “trabalhamos arduamente nos diferentes conceitos e continuaremos a manter os nossos clientes informados sobre quaisquer novidades e alterações”, revelando que, “em particular no que diz respeito às embalagens existem várias possibilidades interessantes que estão atualmente em fase de teste e que poderão efetivamente fazer a diferença.”

Recomendadas

Cada português desperdiça 183 quilos de alimentos por ano e isso é intolerável, diz Isabel Jonet

Os dados, oficiais e pela primeira vez divulgados, referem-se a 2020 e indicam que nesse ano foram desperdiçadas em Portugal 1,89 milhões de toneladas de alimentos, pelo que cada português desperdiçou em média 183,6 quilos de alimentos.

Furacão Ian. Autoridades dos EUA esperam consequências “catastróficas”

O Estado norte-americano da Florida prepara-se hoje para a chegada do furacão Ian, que devastou o oeste de Cuba e que está “a intensificar-se rapidamente”, podendo ter consequências “catastróficas”, segundo os serviços meteorológicos locais.

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.
Comentários