Lidl une esforços com a Cruz Vermelha Portuguesa neste Natal

A cadeia de supermercados vai doar 250 mil euros à CVP para apoiar as pessoas que mais precisam.

 

A pandemia afetou de forma especial milhares de portugueses que, para além de uma crise sanitária, viram os seus rendimentos afetados de forma substancial. A crise inflacionária que estamos a atravessar, agravada pela invasão da Ucrânia, veio agravar ainda mais a situação.

São cada vez mais as pessoas que, mesmo com emprego fixo, vivem em risco de pobreza e que precisam de recorrer a apoio sociais para sobreviver. A atual conjuntura afeta especialmente os mais frágeis, como as crianças, os jovens e os idosos.

A responsabilidade social corporativa é desde sempre uma preocupação do Lidl. Através da sua estratégia de responsabilidade corporativa, Mais Lidl, presta apoio às comunidades locais durante todo o ano. Esse apoio é concretizado através de campanhas, doações e ações específicas. No ano fiscal de 2021 o Lidl doou mais de 5,6 milhões euros para várias causas sociais.

Mas o Natal é uma época especial do ano, onde o apelo à solidariedade é ainda maior. E prova disso é o Lidl, que nos últimos oito anos entregou mais de 3,8 milhões de euros, para apoiar os mais necessitados, como resultado das suas campanhas de Natal.

Este ano, e tendo em atenção a atual crise que o país atravessa, o Lidl decidiu doar 250 mil euros durante um ano para apoiar o trabalho da Cruz Vermelha Portuguesa. Para Sara Fonseca, Responsável de Comunicação Externa do Lidl Portugal, “enquanto empresa com uma forte responsabilidade corporativa, procuramos sempre auscultar as necessidades da comunidade e encontrar a melhor resposta, agindo de uma forma justa. No contexto atual, com muitas famílias a passar por dificuldades, acreditamos que devemos unir esforços com um parceiro como a Cruz Vermelha Portuguesa, com alcance nacional e capacidade de implementação, contribuindo para uma sociedade mais justa e equilibrada”.

Este valor irá permitir à Cruz Vermelha Portuguesa apoiar 272 famílias, num total de 538 pessoas. Este valor irá permitir apoiar famílias e pessoas carenciadas, focando-se em cinco áreas concretas: pagar serviços essenciais do lar – como água, luz e gás -; apoiar necessidades alimentares de famílias com crianças; assegurar alojamento a pessoas em situação de sem-abrigo; garantir apoio psicológico para vítimas de violência doméstica; serviço de teleassistência para idosos em situação de isolamento.

Estas acções procuram responder de forma transversal a um conjunto de problemas que afetam parte da população mais vulnerável em Portugal e identificadas pela CVP como as causas mais prementes no país neste momento. São vários os dados que refletem estas necessidades:

  • Portugal consta como o quinto país da União Europeia onde as famílias têm menos condições para manter as casas devidamente aquecidas, sendo que cerca de 19% dos portugueses estão em situação de pobreza energética (Eurostat 2020);
  • Em 2021, cerca de 1 em cada 4 crianças em Portugal com menos de 18 anos vivia em situação de pobreza ou exclusão social (Eurostat, 2022);
  • Ficaram sem casa mais 791 pessoas do que em 2020 (relatório da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem-Abrigo, 2022);
  • O número de queixas por violência doméstica registou um record no 3º trimestre deste ano, com 8887 ocorrências (CIG, 2022);
  • Entre julho e setembro deste ano, mais de 400 idosos foram identificados pela PSP como estando em risco social e cerca de 300 encaminhados para instituições de apoio social (Operação PSP “A Solidariedade Não Tem Idade/2022”).

A escolha da Cruz Vermelha Portuguesa como parceira do Lidl deveu-se à sua presença em todo o território nacional. Ana Jorge, presidente da CVP agradeceu este apoio do Lidl que “surge numa fase particularmente difícil, sentida pela subida de pedidos de apoio, por parte das famílias, à nossa organização. O papel da Cruz Vermelha é sempre o de ajudar a ultrapassar situações de vulnerabilidade e, para isso, contamos com a preciosa ajuda dos parceiros que, como o Lidl, imbuídos pelo espírito de responsabilidade social, acreditam na proximidade do nosso trabalho, que é realizado em todo o território nacional, através das cerca de 160 delegações Cruz Vermelha, que são quem melhor identifica e conhece as reais necessidades das famílias e pessoas”. A presidente da CVP sublinha ainda a importância de a doação do Lidl destinar-se a uma variedade de áreas, permitindo assim de forma efetiva “melhorar a qualidade de vida de cada um destes 538 beneficiários, que, sejam crianças, adultos ou seniores, se encontram em situação de vulnerabilidade. Continuamos a acreditar no enorme poder da humanidade e sabemos que ele só é verdadeiramente ativado se construído em equipa, e, nesta equipa, parceiros como o Lidl são essenciais. Obrigada, portanto, por ajudarem a Cruz Vermelha a cumprir a sua missão”.

Os 250 mil euros que o Lidl irá doar este Natal, num ano que onde se prevê o agravamento da situação económica, irá ajudar a Cruz Vermelha Portuguesa a continuar o seu trabalho de apoio aqueles que mais precisam.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com o Lidl.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Disparo nos preços do petróleo duplica lucros do mercado global de matérias-primas

Entre 2018 e 2021, os lucros do mercado global de commodities passaram de 27 para 54 mil milhões de dólares e a volatilidade acrescida nos mercados de petróleo e gás após a invasão russa da Ucrânia devem ter agravado esta tendência, projeta a McKinsey.

Maiores bancos espanhóis preparam-se para contestar taxa sobre lucros “caídos do céu”

Os bancos espanhóis vão avançar com uma ação legal contra a contribuição sobre os lucros inesperados, de acordo com fontes próximas dessas instituições. Em Portugal, a medida não se aplica à banca. Antes, é exigida às empresas do sector da energia e da distribuição alimentar.
Comentários