Ligam-lhe de um número desconhecido? Saiba como descobrir quem é

Quem nunca quis evitar uma chamada de publicidade que atire a primeira pedra.

Já toda a gente recebeu chamadas de números que não sabe quem são. Tanto pode ser aquele amigo que mudou de número e não nos avisou, como pode ser aquela empresa que insiste em ligar por muito que tenhamos dito 33 vezes que não estamos interessados. Se não quer atender ou ligar de volta sem antes saber quem está a ligar, saiba que há formas de descobrir.

No caso de se tratar de chamadas comerciais, a probabilidade de muitas outras pessoas terem tido a mesma questão é alta. E a probabilidade de querer ignorar também é grande. Para descobrir, existem uma série de plataformas nacionais e internacionais que funcionam com o contributo dos utilizadores que vão acrescentando números à base de dados.

Em Portugal, existe o site Ligam-me, cuja base de dados inclui mais de quatro milhões de contactos. O Quem me liga? e o Tellows funcionam de forma semelhante. Tem ainda a opção de utilizar bases internacionais. Neste caso, tem o site WhoCallsMe ou o SyncMe, no qual pode selecionar o país. Fazer uma pesquisa rápida diretamente no Google também uma ideia, mas pode não ser tão eficaz.

Em relação ao tema, o jornal espanhol Cinco Días alerta ainda para o risco dos serviços Trap. Serviços cujo objetivo não é que a pessoa atenda, mas sim que fique com uma chamada não atendida. O retorno da chamada acaba por resultar em custos elevados ou subscrição de serviços pagos.

Recomendadas

Declaração anual de rendas passa a ser entregue apenas por via eletrónica

A declaração anual de rendas, apresentada pelos senhorios que não passam recibos eletrónicos, vai deixar de poder ser entregue em papel, passando a ser entregue apenas por via eletrónica, segundo um despacho agora publicado.

Contrair dívidas para pagar outras dívidas é boa ideia? Saiba aqui

O primeiro passo para organizar a sua vida financeira é constituir um Fundo de Emergência. Se ainda não tem comece já a constituir o seu, equivalente a, pelo menos, entre três a seis meses de ordenado, aplicando-o num produto mobilizável a curto prazo.

“O fundo de emergência deve ser sempre o primeiro patamar de poupança e devemos começar a constituí-lo o quanto antes”, diz Bárbara Barroso

“O fundo de emergência deve ser sempre o primeiro patamar de poupança e devemos começar a constituí-lo o quanto antes. Depois disso, podemos pensar em passar para outro patamar e começar, por exemplo, a investir as poupanças”, considerou a CEO da MoneyLab na Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor”.
Comentários