Lightsource BP investe 200 milhões no seu primeiro projeto solar em Portugal

Central fica localizada no distrito de Viseu.

A Lightsource bp vai avançar com o seu primeiro projeto solar em Portugal, num investimento na ordem dos 200 milhões de euros e uma potência de 260 megawatts (MW).

A central solar do Paiva fica localizada no distrito de Viseu e recebeu uma Decisão de Impacte Ambiental (DIA) positiva. O projeto vai gerar eletricidade suficiente para abastecer mais de 100 mil lares por ano. A central tem a particularidade de ficar localizada mais a norte do país; regra geral, as centrais solares ficam localizadas no Algarve e Alentejo, zonas com maior irradiação solar.

A Lightsource bp entrou no mercado português em 2019 e prevê construir mais de 1.500 megawatts entre 2023 e 2027, um investimento superior a mil milhões de euros. Além da energia solar, a empresa “explorar oportunidades na área do hidrogénio verde”.

A nível global, já desenvolveu mais de 5,5 gigawatts até à data.

“É com entusiasmo que recebemos o resultado da Avaliação de Impacte Ambiental, um importante passo rumo à construção e posteriormente exploração do nosso primeiro projeto de grande escala em Portugal”, disse em comunicado Miguel Lobo, o presidente da Lightsource BP Portugal.

“Devido à sua escalabilidade, aos curtos ciclos de implantação e ao facto de apresentar os menores custos de geração de eletricidade da história, a energia solar é a aposta segura para acelerar a descarbonização, promover o uso dos recursos endógenos e a diversificação de fontes de energia, e um planeta mais sustentável para as gerações futuras, com um relevante contributo do nosso país. Para tal, esse caminho tem de ser feito já, e não podíamos estar mais felizes por fazer parte do processo”, acrescenta.

A empresa destaca que o “projeto contribui para a diversificação das fontes energéticas do país e para o cumprimento dos compromissos assumidos pelo Estado Português no que diz respeito à produção de energia a partir de fontes renováveis e à redução da emissão de gases com efeito de estufa (GEE), evitando a emissão de 157.575 toneladas de CO2 por ano”.

Recomendadas

CEO portugueses preveem parcerias estratégicas para empresas crescerem, revela KPMG

No que toca a medidas para o futuro, a estratégia preferida dos CEOs portugueses (36%) para atingir os objetivos de crescimento das suas empresas é a criação de alianças com parceiros estratégicos, por oposição a 26% dos CEOs internacionais. As Fusões e Aquisições (F&A) seguem em segundo lugar destas medidas, com votos de 28% dos CEOs portugueses e de 11% dos CEOs internacionais.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Luís Laginha de Sousa quer reafirmar caminho que tem sido feito pela CMVM

As linhas de atuação da nova administração do regulador de mercados, cuja cerimónia de tomada de posse decorreu esta segunda-feira no Ministério das Finanças, não significam “qualquer rutura com o caminho” seguido até agora, garante o novo presidente da CMVM que quer reforçar a articulação entre os supervisores.
Comentários