Lince ibérico: quais os primeiros resultados do programa de reprodução do lince ibérico?

No início de agosto, um fogo atingiu o Centro Nacional de Reprodução do Lince Ibérico, pelo que, os 29 exemplares que lá se encontravam, foram transportados para três centros de crias congéneres de Espanha.

Vão ser hoje, dia 12 de setembro, conhecidos os primeiros resultados do programa de reprodução do lince ibérico depois dos incêndios na serra de Monchique, no início de agosto.

Esses dados serão divulgados pela secretária de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza, Célia Ramos, durante uma visita às obras de ampliação e de recuperação do lince ibérico, no Centro Nacional de Reprodução do Lince Ibérico, em Silves.

“Está igualmente prevista a deslocação às instalações de monitorização dos linces que regressaram de Espanha, para onde foram deslocados, na sequência dos incêndios do verão passado”, adianta um comunicado do Ministério do Ambiente.

O mesmo documento recorda que, “no início de agosto, um fogo atingiu o Centro Nacional de Reprodução do Lince Ibérico, pelo que, os 29 exemplares que lá se encontravam, foram transportados para três centros de crias congéneres de Espanha”.

“Em Portugal, o ‘Programa de Cria e Reintrodução do Lince Ibérico’ conta com um total de 33 animais libertados e 44 linces nascidos em meio natural”, explica a referida nota do Ministério do Ambiente.

Está ainda prevista uma visita a uma área de introdução do lince ibérico, em Mértola, na sede do Parque Natural do Vale do Guadiana.

Recomendadas

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários