Linha azul do metro será interrompida para trabalhos, por motivos de segurança

Entre os dias 11 e 15 de agosto, não será possível circular em quatro estações: Jardim Zoológico, Praça de Espanha, S. Sebastião e Parque. A retoma será feita no dia 16, pela madrugada.

A circulação na linha azul do Metropolitano de Lisboa vai ser interrompida no torço compreendido entre as estações Jardim Zoológico e Parque, entre os dias 11 e 15 de agosto. Em causa estão “trabalhos de beneficiação da via férrea” que, por questões de segurança, implicam o fecho de quatro estações.

A informação é de um comunicado de imprensa do Metropolitano de Lisboa, que informa que as estações Jardim Zoológico, Praça de Espanha, S. Sebastião e Parque (linha Azul) estarão encerradas. Ainda assim, a estação de S. Sebastião vai continuar a funcionar na linha vermelha.

Deste modo, na linha azul será possível fazer viagens entre Reboleira/Laranjeiras e Marquês de Pombal/Santa Apolónia, informa-se no documento.

Os postos de atendimento da estação Jardim Zoológico estarão encerrados no mesmo período, pelo que o levantamento dos cartões navegantes pedidos nessa estação poderá ser feito no Marquês de Pombal.

A circulação será retomada na totalidade no dia 16 de agosto, terça-feira, a partir das 6h30.

Recomendadas

PremiumTAP teme impacto do risco de recessão nas suas receitas em 2023

Companhia aérea nacional diz que a capacidade este ano está a 90% dos níveis pré-pandemia. Aumento dos custos do jetfuel já está a afetar fortemente as operações da companhia. Acordos coletivos estarão “no topo da lista de prioridades” da TAP em 2023.

Sindicatos anunciam marcha silenciosa na terça-feira para protestar contra situação na TAP

Três sindicatos do sector da aviação apelaram aos associados para participarem numa “marcha silenciosa” inédita na terça-feira para “continuar a chamar a atenção de todos” para a situação que, “infelizmente, hoje se vive na TAP Air Portugal”, foi anunciado.

Eletricidade. Comercializadores proibidos de repercutirem custos na fatura depois da polémica com a Endesa

A medida visa garantir que os consumidores já isentos não venham a pagar mais na fatura devido ao mecanismo ibérico. Somente os contratos de fornecimento de eletricidade a preços fixos celebrados depois de 26 de abril é que são impactados pelos custos do mecanismo.
Comentários