Lisboa em alta apesar da correção do BCP

Madrid em queda em contra-ciclo numa Europa verde impulsionada pela alta do petróleo e do seu impacto nas acções das empresas de energia e petrolíferas. Em Lisboa destaque para as subidas da Galp e EDP e queda do BCP depois da euforia Fosun.

John Gress/Reuters

O PSI 20 fechou nos 4.438,520 pontos, o que traduz uma subida de 0,41% face ao fecho de sexta-feira.

A maior subida coube à Galp Energia (+2,72%) para 12,665 euros. A Pharol (+2,09%), a EDP (+1,67%), a Altri (+1,36%), a Navigator (+0,45%), e a REN (0,20%) completam o leque de subidas.

Do lado das quedas destaque para as acções da Mota Engil (-0,89%) e BCP (-0,72%). As acções do banco liderado por Nuno Amado fecharam nos 1,24 euros depois de ontem ter sido anunciada a entrada da Fosun, através de uma emissão de novas ações, com um investimento de cerca de 175 milhões para ficar o maior acionista com 16,7%.

O banco começou por abrir a sessão a subir na bolsa, mas fechou em perdas. Recorde-se que o Conselho de Administração aprovou uma deliberação de aumento do capital do banco através da colocação de 157.437.395 novas ações a um preço unitário de subscrição de 1.1089 euros (com um período de lock-up de 3 anos).

O referido aumento de capital já foi subscrito pela Chiado, entidade do grupo Fosun, tendo já sido solicitado o registo junto da Conservatória de Registo Comercial no passado dia 18. Deste modo, o capital social do BCP passou de 4.094,2 milhões de euros para 4.268,8 milhões de euros representado por 944.624.372 ações sem valor nominal. O “Memorandum of Understanding” (MoU) relativo ao investimento no capital social do banco, assinado no passado dia 18 de novembro (sexta-feira) revela que a Chiado investirá cerca de 174,6 milhões subscrevendo (através de colocação particular um aumento de capital reservado). E nesse mesmo memorando a Fosun reafirmou o “forte interesse de vir subsequentemente a aumentar a participação no BCP para cerca de 30% do respetivo capital social através de operações em mercado primário ou secundário uma vez aprovado o aumento do imite da contagem de votos para 30% do capital social” a ser votado em Assembleia Geral. Esta foi adiada para dia 19 de dezembro, pelo que até lá não haverá qualquer reforço.

Na Europa, a queda em contra-ciclo com os principais índices europeus coube ao Ibex de Madrid (-0,10%). Num dia em que o Deutsche Bank anunciou a colocação privada de 2,99% do capital social do Banco Sabadell, num pacote de 168,430,815 ações do banco, em nome da Itos Holding Sàrl junto de investidores qualificados nacionais e internacionais.

De resto o verde foi a tónica dominante. O DAX 30 fechou nos 10.685,13 pontos (+0,19%), Londres fechou a subir 0,03%; o CAC 40 ganhou 0,56%; o holandês AEX (+0,52%). Nos índices globais o Stoxx 600 ganhou 0,25% e o EuroStoxx 50 fechou nos 3.032,970 pontos (0,40%), com o título da Airbus a liderar os ganhos (+4,42%).

A atenção do dia de hoje esteve no discurso de Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, no Parlamento Europeu. “Necessitamos de uma ação decisiva para elevar a taxa potencial de crescimento da economia”. Foram as palavras do presidente do BCE.

Hoje o mercado estará focado ainda no discurso do vice-presidente do Fed, Stanley Fischer.

O barril de Brent, ‘benchmark’ internacional, dispara 4,1% para 48,78 dólares, com sinais que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo poderão chegar a um acordo para controlar a produção quando se encontrarem na próxima semana.

Isto justifica a alta generalizada dos títulos das empresas relacionadas com esta matéria-prima (energéticas e petrolíferas) que subiram, impulsionando os mercados accionistas europeus.

 

Recomendadas

Wall Street fecha com perdas à espera de novos dados do emprego norte-americano

Os três principais índices encerraram as negociações a encarnado. O Twitter ainda arrancou a sessão a subir, mas as ações da rede social acabaram por desvalorizar mais de 3% na sequência de Elon Musk, dono da Tesla que quer comprar a empresa, ter perdido os parceiros de investimento (Apollo Global Management e Sixth Street Partners) no negócio.

Comissão de trabalhadores acusa grupo Amorim de “incapacidade” para dirigir Galp por anúncio da saída do CEO sem substituto

A Comissão Central de Trabalhadores (CCT) da Petrogal acusou hoje o Grupo Amorim de incapacidade “para controlar e dirigir a Galp”, na sequência do anúncio da saída do presidente executivo, Andy Brown, no final do ano, sem anúncio de substituto.

Diretora do FMI avisa que situação económica “ainda vai piorar antes de melhorar”

“A incerteza é muito elevada”, referiu Kristalina Georgieva, destacando os efeitos da guerra, apontando que pandemia que “ainda não desapareceu” e acrescentando também que “os riscos em torno da estabilidade financeira estão a crescer”.
Comentários