Lisboa alvo de investimento de mais 70 milhões em projetos de mobilidade urbana

O Programa Operacional Regional – POR Lisboa 2020 “apoiou mais de 70 projetos de Mobilidade Urbana Sustentável na Área Metropolitana de Lisboa, representando um financiamento superior a 40 milhões de euros (43.488.478 euros) e ao qual correspondeu um investimento global de cerca de 76,4 milhões de euros”.

Mais de 40 milhões de euros financiados pelo Programa Operacional Regional – POR Lisboa 2020 já foram aplicados em projetos na área da mobilidade urbana, revela a CCDR-LVT em comunicado.

O Programa Operacional Regional – POR Lisboa 2020 “apoiou mais de 70 projetos de Mobilidade Urbana Sustentável na Área Metropolitana de Lisboa, representando um financiamento superior a 40 milhões de euros (43.488.478 euros) e ao qual correspondeu um investimento global de cerca de 76,4 milhões de euros”.

Entre os diversos projetos de mobilidade apoiados pelo Lisboa 2020 destacam-se a criação de vias pedonais e ciclovias, mas também interfaces de transporte, modernização de sistemas de bilhética, promovendo a utilização dos transportes públicos, aumentando a fluidez através de propostas intermodais, possibilitando maior sustentabilidade para empresas e pessoas e consequente melhoria de vida nas cidades.

Teresa Almeida, Presidente da CCDR-LVT e gestora do POR Lisboa 2020, afirma em comunicado que “para cumprir as metas climáticas, temos de recorrer a medidas que reduzam a nossa pegada ambiental, nomeadamente, no que diz respeito à mobilidade”.

“É preciso dotar as nossas cidades de meios e infraestruturas para que a transição sustentável seja uma realidade. Existe a necessidade de reduzir a procura dos transportes privados, aumentar os espaços para peões e ciclovias e promover as soluções energéticas menos poluentes, que nos ajudem na transição para uma economia de baixo carbono”, refere a responsável.

Teresa Almeida acrescenta que “para criar mais formas de usufruir do espaço público, de incrementar as relações em sociedade, atitude e espírito de comunidade é necessário garantir que há acessos adequados a modos de mobilidade suave, melhorar a rede de interfaces com a rede de transporte públicos coletivos, para eliminar a necessidade de usar transporte individual e este investimento de mais de 70 milhões de euros no âmbito último quadro comunitário, dos quais mais de 50% foram apoiados pelo Programa Operacional de Lisboa, POR Lisboa 2020, são com certeza um passo significativo para esta realidade e que iremos continuar a desenvolver no próximo programa até 2027”.

Há 10 projetos apoiados pelo POR Lisboa 2020 na área da mobilidade urbana, revela a nota.

Quais são os 10 projetos?

Na Ericeira foi construído um Parque Intermodal e implementado um sistema de vaivém através de miniautocarros, um investimento de 1,9 milhões de euros, com um apoio FEDER de 1,1 milhões de euros.

Também o Sistema de Bilhética e Informação, incluindo o novo sistema de bilhética intermodal e de informação aos passageiros com base em dados em tempo real, da Área Metropolitana de Lisboa.

“Este projeto estruturante para a mobilidade na Área Metropolitana de Lisboa conta com um importante investimento de 7,9 milhões de euros, dos quais cerca de 4 milhões euros foram apoiados no âmbito do POR Lisboa 2020”, lê-se na nota.

“A Ciclovia Empresarial, situada entre a estação de caminho-de-ferro de Paço de Arcos e os Parques Empresariais da Quinta da Fonte e Lagoas Parque, para utentes de bicicletas e peões, também foi criada com o intuito de encorajar uma mobilidade menos dependente do automóvel numa zona identificada como deficitária em estacionamento e com numerosos locais de trabalho, sendo esta zona de implementação de empresas”, destaca o comunicado.

Esta Ciclovia Empresarial representou um investimento de 1,4 milhões de euros, ao qual correspondeu um apoio FEDER de mais de 1,3 milhões de euros.

Há ainda a Rede Ciclável dos eixos Agualva-Queluz, em Massamá-Casal da Barota e Queluz-Belas, criada com o objetivo de promover a circulação a pé e de bicicleta e qualificar e criar espaços pedonais. “A rede inclui o troço Massamá-Queluz Belas e representou um investimento elegível de 2,5 milhões de euros, ao qual correspondeu um apoio FEDER de cerca de metade deste montante, 1,3 milhões de euros, para a criação de um percurso ciclável e pedonal com passagem pelo Centro Lúdico de Massamá, EB1/JI n°1 de Massamá, Parque urbano da Quinta das Flores, Escola Stuart Carvalhais, Parque 2 de Abril, Av. Salgueiro Maia e Parque do Casal da Barota, numa extensão de mais de 3 kms”, lê-se no comunicado.

Também há o Interface de Setúbal, que contemplou a implementação de um parque de estacionamento para viaturas ligeiras com uma área de cerca de 3.000m2 para uma capacidade total de 117 lugares de estacionamento distribuídos por um único piso, incluindo ainda áreas técnicas de apoio ao parque de estacionamento e áreas técnicas de apoio à exploração. O projeto foi articulado com o projeto do terminal rodoviário de forma a garantir uma fácil e adequada articulação entre os dois modos de transporte (transporte individual e transporte coletivo).

O terminal tem uma área aproximada de 3.468 m2, com espaço para estacionamento de 14 autocarros e foi concebido para ser aberto dando um aspeto orgânico interrelacionado com a envolvente edificada. Incluíram-se ainda zonas de apoio à exploração e de apoio ao público e bilheteiras. Foi necessário um investimento de 4,5 milhões de euros, sendo mais de 2,7 milhões de euros financiados pelo POR Lisboa 2020.

Já em termos daquilo que é a transformação do ambiente rodoviário, o POR Lisboa 2020 apoiou o projeto de Criação de “zonas 30”, Centro Histórico de Odivelas, alvo de um investimento de aproximadamente um milhão de euros que obteve um apoio FEDER de 605,5 mil euros, com o objetivo de promover a convivência dos diferentes utilizadores no espaço público, assegurando a acessibilidade do tráfego motorizado, embora a velocidades condicionadas.

O projeto incluiu modificações nos sentidos de circulação, redução da faixa destinada aos veículos motorizados, organização do estacionamento automóvel e libertação dos passeios da ocupação das viaturas.

Passando para a zona da Moita, temos o exemplo de uma outra forma de apoio à melhoria da mobilidade urbana, a criação de corredor dedicado ao Transporte Público, (Corredor BUS), e aos modos suaves na Avenida 1º da Maio, no Vale da Amoreira.

A intervenção teve um investimento de 1,8 milhões de euros e contou com um apoio FEDER de 945.142 euros do POR Lisboa 2020.

Já a rede ciclável de Lisboa, projetada pela Câmara Municipal de Lisboa e a Emel – Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, “assenta numa rede estruturante, maioritariamente em canal próprio, com ligações estreitas à rede de Transportes Públicos”.

Este projeto de grande envergadura teve um investimento de 7,8 milhões de euros e um apoio de 4,4 milhões de euros do POR Lisboa 2020.

Também se destaca a requalificação da EN 10 – Ciclovia/Percurso Pedonal – Póvoa de Santa Iria, Forte da Casa e Alverca do Ribatejo com 7,453 km, está totalmente inserido no concelho de Vila Franca de Xira, atravessando as localidades de Póvoa de Santa Iria, Forte da Casa e Alverca do Ribatejo.

O projeto teve um investimento de 5,5 milhões de euros e um apoio FEDER de 3.058,2 mil euros pelo POR Lisboa 2020, que requalificou um corredor urbano de elevada procura (EN 10) entre a Póvoa de Santa Iria e Alverca do Ribatejo. Implementou-se um corredor urbano ciclável e pedonal, integrado na rede de ciclovias municipais.

Por fim a “implementação da rede ciclável estruturante no concelho de Cascais apoia a mobilidade urbana sustentável e diminui a dependência do automóvel, criando uma rede de circuitos pedonais e cicláveis articulada com os interfaces e os serviços de transportes públicos”.

São 55km materializados em percursos cicláveis urbanos que abrangem três freguesias do concelho (União de Freguesias de Cascais e Estoril, S. Domingos de Rana e Alcabideche) que contam com um investimento de 2,8 milhões de euros e um apoio FEDER de 1,5 milhões de euros.

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários