Lisboa é a quinta capital europeia mais ‘verde’, revela estudo

Com um total de 61 espaços verdes, Lisboa, conta “com 25 parques, 26 jardins, uma área de vida selvagem, sete parques infantis e duas florestas. Existem 4,59 parques e 4,77 jardins por cem mil habitantes na cidade”. Paris surge no topo da lista e Londres em último.

Lisboa é a quinta capital europeia mais ‘verde’, revela um estudo que analisou quais as áreas com mais espaços verdes por cem mil pessoas. Paris (França) surge no topo, seguida de Luxemburgo (Luxemburgo), Dublin (Irlanda) e Cardiff (Escócia).

A investigação da Drinking Straw — empresa distribuidora e fornecedora de palhinhas ecológicas — teve em conta a quantidade de parques, jardins, áreas de vida selvagem, florestas, parques infantis e corpos d’água e comparou-a com o tamanho da população.

Com um total de 61 espaços verdes, Lisboa, conta em concreto “com 25 parques, 26 jardins, uma área de vida selvagem, sete parques infantis e duas florestas. Existem 4,59 parques e 4,77 jardins por cem mil habitantes na cidade”, segundo o comunicado.

Mas em melhor posição surge então a capital francesa, “a mais verde de qualquer outra”, com 325 espaços verdes no total, compostos por 171 parques, 127 jardins, uma área de vida selvagem, 16 parques infantis e dez corpos d’água. Ao contabilizar a população, tem 7,62 parques e 5,66 jardins por cem mil pessoas.

A cidade de Luxemburgo vem em segundo lugar com um total de 13 espaços verdes, compostos por oito parques, um jardim e quatro parques infantis. Contanto com 8,51 parques por cem mil habitantes, tem o coeficiente mais alto de qualquer cidade no estudo tendo em conta a menor população.

Dublin ocupa o terceiro lugar na lista com 66 espaços verdes compostos por 34 parques, 15 jardins, sete áreas naturais e de vida selvagem, três parques infantis, uma floresta e seis corpos d’água. “O estudo descobriu que tem 6,47 parques e 2,86 jardins por cem mil pessoas quando a população foi contabilizada”, lê-se no documento.

Cardiff merece o quarto lugar por abranger 37 espaços verdes, compostos por 18 parques, três jardins, cinco áreas de vida selvagem, três parques infantis, três florestas e três corpos d’água. Ao comparar com a população, tem 5,54 parques por cem mil habitantes.

No top 10, depois da capital portuguesa, surge Bratislava (Eslováquia), Helsínquia (Finlândia), Reykjavik (Islândia), Barcelona (Espanha) e Belfast (Irlanda do Norte).

“Londres aparece em 24.º lugar de todas as capitais estudadas, e é a que tem mais espaços verdes com 356 no total, mas quando se tem em conta a população da cidade fica fora dos dez primeiros”, indica a nota.

Comentando as conclusões, um porta-voz da Drinking Straw disse: “Estes dados mostram que as que estão no topo da lista conseguem combinar mais infraestrutura com um forte equilíbrio de pessoas a espaços verdes também. No caso de cidades como Luxemburgo e Paris, há muitos espaços verdes em comparação com o número de pessoas, o que significa que você não estará longe de um parque ou jardim na maioria das áreas”.

Recomendadas

Dia Mundial do Professor. Marcelo felicita docentes pela “competência, dedicação e entusiasmo”

Numa nota publicada na página da Presidência da República na internet, é recordado que hoje se assinala o Dia Mundial do Professor, instituído pela UNESCO para “evidenciar o papel dos professores, absolutamente essencial para o sucesso das novas gerações e no desenvolvimento das sociedades”.

5 de outubro: Marcelo pede que se faça avançar democracia com “caminho para todos”

Num discurso de onze minutos, na cerimónia comemorativa dos 112 anos da Implantação da República, na Praça do Município, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Cleanwatts vai criar uma Comunidade de Energia Renovável em Braga

“Vamos instalar uma Central Fotovoltaica de 1,2 MWp (megawatts-pico), com mais de 2.100 painéis solares, nos telhados da Arquidiocese de Braga, que será integrada numa Comunidade de Energia Renovável”, explica Basílio Simões, fundador e presidente da Cleanwatts.
Comentários