Lisboa fechou no verde pela quarta sessão consecutiva

O PSI 20 encerrou a sessão com ganhos pela quarta sessão consecutiva. Altri, Semapa e Sonae valorizaram mais de 3%.

Reuters

A praça lisboeta encerrou hoje no verde, em linha com a Europa, com o índice lisboeta a subir 0,07% para os 4.441,67 pontos. A Altri foi uma das estrela da sessão, ao ganhar 3,16% depois da Suzano e da Fibria, produtoras brasileiras de pasta de papel, terem anunciado uma subida dos preços na Ásia a partir de Dezembro. Semapa e Sonae também valorizaram mais de 3%.

A pressionar o índice estiveram os ‘pesos pesados’, com a Galp (-0,55%), EDP (-0,44%), Jerónimo Martins (-0,47%) e BCP (-1,51%).

Na Europa, as bolsas encerraram no verde, com o alemão Dax a valorizar (+0,26%), o francês CAC a ganhar (0,29%) e o espanhol Ibex a subir (0,43%).

Em relação aos juros da dívida, depois de um máximo de nove meses no final da semana passada, com as yields das OT no prazo de referência a fecharem em 3,85%, a trajetória inverteu-se no início desta semana. As yields das Obrigações do Tesouro (OT) português no prazo de referência, a 10 anos caem agora para os 3,65%.

Do outro lado do Atlântico, os quatro principais índices norte-americanos iniciaram a sessão com ganhos, renovando máximos históricos.

No mercado de matérias-primas, o petróleo Brent, que serve de referência às importações europeias, ganha 0,08% para os 48,94 dólares, fruto de uma perceção mais positiva dos investidores em relação à reunião da OPEP. Várias fontes ligadas à Organização disseram à Reuters que um grupo de especialistas decidiu em Viena nesta terça-feira recomendar que uma reunião ministerial na próxima semana debata uma proposta da Argélia para reduzir a produção em 4 a 4,5%

No mercado de câmbios, o euro perde 0,18% para os 1,0587 dólares.

Recomendadas

Euribor caem a três e seis meses e sobem a 12 meses

As taxas Euribor desceram hoje a três e seis meses e subiram a 12 meses para novos máximos desde o início de 2009.

Bolsa de Lisboa segue em alta com energia a dar gás

As principais bolsas europeias abriram hoje em alta refletindo o ligeiro recuo na taxa de inflação preliminar da zona euro e uma possível desaceleração no aumento das taxas de juro nos EUA sinalizada pelo presidente da Fed. Mas, ao longo da manhã, a tendência deixou de ser tão definida, com Paris e Londres a entrarem em terreno negativo.

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.
Comentários