Lisboa em queda pelo segundo dia pressionada pelo setor energético

Depois da reunião da Fed, o dólar aprecia para máximos de 10 meses face ao Yen.

Stringer/Reuters

A bolsa lisboeta perde 0,85% para os 4.599,00 pontos, em contraciclo com os pares europeus. A pressionar Lisboa estão as quedas da EDP, de 1,72%, da EDP Renováveis, que cede 2,28%, da Galp recua 1,13%.

Já os principais índices europeus negoceiam no verde, com o alemão Dax, o espanhol Ibex e o francês CAC a valorizam em torno dos 0,5%. Isto um dia depois de a Fed ter subido as taxas de juros pela primeira vez este ano, em 0,25 pontos percentuais, e revisto em alta as previsões para os custos do crédito em 2017, adiantando que as expetativas sobre a inflação aumentaram “consideravelmente”.

Esta expectativa contribuiu para penalizar Wall Street no final da sessão de ontem.

O dólar acabou por ser o grande beneficiado pelo facto de a Fed ter decidido aumentar apenas em uma vez a taxa de juro em 2016, apreciando para máximos de 10 meses face ao Yen.

O euro deprecia 1,64% face à divisa norte-americana.

Hoje, o Banco de Inglaterra irá reunir-se não sendo esperadas alterações nas taxas de juro.

Recomendadas

Wall Street abre a negociar no ‘verde’. Nasdaq que soma mais de 1,50%

A bolsa de Nova Iorque abre em “sintonia com o sentimento positivo nas congéneres europeias” fruto “da leitura preliminar das encomendas de bens duradouros”.

Bolsa de Lisboa segue sessão no ‘verde’ com apenas duas cotadas em terreno negativo

As principais bolsas europeias estão em terreno misto, com o DAX (Alemanha) a valorizar 0,79%, o CAC 40 (França) a ganhar 0,76% e o IBEX 35 (Espanha) a crescer 0,22%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) desvaloriza 0,10%.

Bolsa de Lisboa abre em alta numa manhã positiva para os mercados europeus

O PSI iniciou a sessão desta terça-feira em terreno positivo, estando a ganhar 1,29% para 5.485,53 pontos numa manhã serena para a generalidade das praças europeias. A Greenvolt e a Altri estão em destaque esta manhã ao valorizarem, respetivamente, 1,77% para 8,61 euros e 2,42% para 5,12 euros. Ainda no mercado energético, a Energias de […]
Comentários