Lisboa tem mais áreas verdes do que a média global, indica estudo de inteligência artificial

O indice de inteligência artificial (IA) desenvolvido pela Husqvarna para avaliar e ajudar a proteger áreas verdes em ambientes urbanos, reporta que a capital portuguesa situa-se na 89º posição por somar 44% de áreas verdes, contra 39% de a média mundial.

Junta de Freguesia de Arroios

A cidade de Lisboa tem mais espaços verdes do que a média mundial. A informação é recolhida pelo HUGSI, um índice de inteligência artificial (IA) desenvolvido pela Husqvarna para avaliar e ajudar a proteger áreas verdes em ambientes urbanos.

De acordo com a avaliação, divulgada esta terça-feira, a capital portuguesa soma 44% de áreas verdes, contra 39% de a média mundial e 45% da europeia, com um total de 111,85 metros quadrados per capita.

O relatório indica ainda que 26% correspondem a áreas relvadas ou ajardinadas e 18% a áreas arborizadas. Tudo isto coloca a capital portuguesa na 89ª posição no ranking elaborado após análise de dados de 155 cidades de todo o mundo. No topo deste ranking surge o estado da Carolina do Norte, nos Estados Unidos por ser a cidade mais verde do índice deste ano com cerca de 68% de área ‘verde’, onde as árvores representam 56% e a relva 12% da área total.

Da mesma forma, o HUGSI avaliou também outras duas cidades da Península Ibérica, Barcelona e Madrid, que ocupam as posições 78 e 128, respetivamente. A cidade de Barcelona possui 43% de área verde, com um peso ligeiramente maior de áreas gramadas em relação às áreas arborizadas, e uma área verde por habitante de 117 metros quadrados. Madrid, por sua vez, regista 30% das áreas verdes, que representam 36,86 metros quadrados por habitante, com uma distribuição bastante equilibrada entre árvores e áreas relvadas.

De forma geral, o relatório indica que as áreas urbanas na Europa são mais verdes do que a média, 45% em comparação com 39% da média global.

Recomendadas

Reabilitação do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra já foi consignada

A primeira fase de reabilitação dos pavilhões do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra, orçada em 338 mil euros, foi consignada hoje, revelou o município.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Três desalojados após incêndio numa habitação no concelho de Pedrógão Grande

Três pessoas ficaram hoje desalojadas na sequência de um incêndio numa habitação em Troviscais Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, norte do distrito de Leiria, disse à agência Lusa fonte dos bombeiros locais.
Comentários