Lisgráfica passa de lucros a prejuízos de 1,8 milhões no 3.º trimestre

A Lisgráfica passou de lucros a prejuízos de 1,879 milhões de euros no terceiro trimestre deste ano, de acordo com os resultados hoje divulgados pela empresa. De acordo com a informação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), e entretanto divulgada, no terceiro trimestre de 2013 a Lisgráfica tinha registado lucros de 47,4 […]

A Lisgráfica passou de lucros a prejuízos de 1,879 milhões de euros no terceiro trimestre deste ano, de acordo com os resultados hoje divulgados pela empresa.

De acordo com a informação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), e entretanto divulgada, no terceiro trimestre de 2013 a Lisgráfica tinha registado lucros de 47,4 milhões de euros, mais 104% face ao registado no terceiro semestre deste ano.

A empresa destaca que “os resultados financeiros, excluindo o registo do impacto do Plano Especial de Revitalização (PER) apresentam uma melhoria devido à redução dos custos financeiros, consequência do perdão de dívida à banca contabilizado no ano de 2013”.

Comparativamente com o trimestre homólogo, “regista-se uma variação significativa a nível dos resultados operacionais e financeiros dado que em 2013 foram registados, no primeiro semestre, os impactos do PER nas contas da empresa”, acentua a empresa.

OJE/Lusa

Recomendadas

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Excedente orçamental melhora para 2,3 mil milhões de euros em agosto

Este valor representa uma melhoria de 9.211 milhões de euros em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo o comunicado do Ministério das Finanças.

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.