Livro: “A Sombra Infinita de César”

A Provença de Lawrence Durrell não se limita aos luminosos céus meridionais, de azul estonteante, é, sobretudo, uma Provença saturada com os espíritos das civilizações do passado.

“Subitamente, o Mediterrâneo começa a afirmar-se e o folclore tradicional provençal, o velho mecanismo turístico, dá sinal de si com os seus ciprestes e com os telhados de telha assada, com a sua hera e madressilva, os sicómoros e os plátanos serenos, traçando o curso de rios secretos escavados pelo movimento constante dos glaciares suíços na sua descida para o mar. O Ródano! Mas nada consegue fazer jus à luz – nem câmara, nem pincel.”

 

 

O Mediterrâneo é praticamente omnipresente na obra de Lawrence Durrell, tanto na ficção como na literatura de viagens. Em português, a Relógio de Água publicou em 2016 o seu relato sobre as ilhas gregas e, agora, a Saída de Emergência, através da sua chancela Desassossego, editou “A Sombra Infinita de César”, o livro que dedicou à Provença, onde viveu durante trinta anos. A tradução é de Sérgio Gonçalves.

Foi aqui, no sul de França, que terminou a sua obra mais conhecida, “O Quarteto de Alexandria”, inspirada no tempo em que viveu nesta cidade egípcia e no Cairo, durante a Segunda Guerra Mundial, quando era adido de imprensa na Embaixada Britânica.

A Provença de Lawrence Durrell não se limita aos luminosos céus meridionais, de azul estonteante, aos imensos campos de lavanda nem à cordilheira alpina que se derrama no ‘mare nostrum’; é, sobretudo, uma Provença saturada com os espíritos das civilizações do passado.

No campo, entre vinhedos e floresta de pinheiros, no mercado e entre a população autóctone, Durrell escuta os ecos das batalhas dos generais romanos como César e Agripa, recorda o amor de Petrarca por Laura, os debates medievais do amor cortês e a lírica dos trovadores.

Reflexão sobre a história e a cultura provençais, este livro é, ao mesmo tempo, roteiro de viagem, bloco de notas e autobiografia, preservando as memórias das experiências mais pessoais de Durrell na região, e foi publicado originalmente poucos dias antes da sua morte, em Sommières, em 1990.

Lawrence Durrell nasceu em 1912, na Índia, estudou em Inglaterra e viveu em Corfu (o relato desses anos, “A Minha Família e Outros Animais”, escrito pelo seu irmão mais novo, Gerald, foi recentemente adaptado a série televisiva, tendo conhecido um extraordinário sucesso) e, mais tarde, no sul de França. Foi um dos mais importantes escritores britânicos do século XX, com obra publicada na área do romance, poesia e literatura de viagens. O seu trabalho, de onde se destaca o já referido “O Quarteto de Alexandria” e o menos conhecido “O Quinteto de Avinhão”, foi distinguido com vários prémios e nomeado para o Booker Prize.

Eis a sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante.

Recomendadas

Festival Futurama arranca amanhã em Mértola

Ao longo de quatro fins de semana, o Baixo Alentejo abre-se ao público como um laboratório de experimentação e de apresentação de diálogos transdisciplinares, com mais de 40 artistas portugueses e espanhóis em espaços patrimoniais, culturais e naturais.

“Discover the Art of the Airport” no Aeroporto Internacional de Hamad

O Qatar tornou-se num dos primeiros países do Golfo a estabelecer um programa de arte pública contemporânea abrangente, liderado pelo Qatar Museums, com o objetivo de integrar a arte na vida quotidiana. O programa incluiu aproximadamente 70 obras de mais de 60 artistas do Qatar, do Médio Oriente e de todo o mundo.

Alterações do Estatuto dos Profissionais da Área da Cultura entram em vigor quarta-feira

O Governo aponta que houve “a necessidade de simplificar e ajustar algumas soluções, nomeadamente a respeito do modelo de comunicação da celebração de contratos de prestação de serviço, do regime a aplicar relativamente à prestação social de inclusão, bem como da modalidade contributiva do trabalhador independente”.
Comentários