Livro: “Paris em 1934”

Médico, professor catedrático, ensaísta, historiador e crítico de arte. Falamos de Abel Salazar e da sua faceta de artista numa viagem a Paris, à qual dedica esta crónica de costumes sobre uma cidade onde cultura e barbárie se misturam com luz e sombras.

 

Num radioso dia de junho, Abel Salazar descreve assim o sol matinal que ilumina o parisiense Bois de Boulogne: “A sua luz radiosa dissolve-se na bruma azulada que cobre em veladuras o arvoredo do bosque e que aumenta de densidade com o alongar das distâncias. (…) O céu, pérola como sempre, com ‘patines’ de velha porcelana, é antes uma atmosfera densa que desce sobre os horizontes e neles se funde, do que uma abóbada perdida nas alturas.”

Neste excerto, nota-se bem a vertente de pintor deste médico, professor catedrático da Universidade do Porto, ensaísta, historiador e crítico de arte.

Afastado da Universidade e do Instituto por motivos políticos, dado que era um franco opositor das ideias do seu homónimo, Abel Salazar pôde assim dedicar-se mais à atividade artística.

Como refere Joana Baião no site do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, onde se encontra uma das suas obras, Abel Salazar era um “autodidacta, a sua formação estética gera-se independentemente de escolas ou correntes artísticas, embora seja marcada por um gosto de herança naturalista, a que alia uma forte componente de análise da realidade que o rodeia. As suas obras retratam trabalhadores em contexto urbano e rural, em composições dramáticas marcadas pelo intenso uso da mancha, e claramente imbuídas de um sentido de crítica social.”

“Paris em 1934” é o relato de uma estadia de seis meses do médico na cidade-luz. Originalmente publicado em 1938, foi agora reeditado pela UPorto Press e pela Casa-Museu Abel Salazar, e inclui reproduções de fotografias do autor, em Paris, e de algumas das obras produzidas no âmbito desta viagem.

Se o sentimento geral dos portugueses que visitaram Paris nos séculos anteriores era extremamente positivo, havendo uma enorme proximidade – aliás, mais uma feliz apropriação – de ideias e uma certa afiliação cultural, o mesmo não aconteceu com Abel Salazar, a quem a cidade surge como um misto de cultura e barbárie, de luz e sombras, preenchida com edifícios pesados, de arquitectura quase alemã, habitada por uma burguesia embrutecida, tão insensível à Injustiça como ao Belo – a crónica “A Parisiense e o Cãozinho”, um dos maiores estereótipos relativos à cidade (ainda que, porventura, fácil de confirmar), é um dos melhores exemplos do apurado espírito crítico do autor.

Crónica de costumes, retrato da cidade e reflexão sobre a sua própria criação artística, “Paris em 1934” diz-nos tanto sobre a cidade como sobre o homem e o artista.

Recomendadas

GameStop: o poder das comunidades

Weekend: A equipa da Instinct deixa-lhe sugestões de entrevistas, livros, filmes, séries, podcasts e artigos que o/a vão ajudar a entender, refletir e inspirar sobre o futuro para inovar com impacto.

Ministro da Cultura quer consenso alargado nas diretivas sobre direitos no mercado digital

A diretiva europeia que adapta a gestão dos direitos de autor e dos direitos conexos ao meio digital vai estar em consulta pública, período durante o qual poderão voltar a ser ouvidas as partes interessadas no processo.

Bankinter é mecenas da exposição “Faraós Superstars” na Fundação Gulbenkian

A exposição “Faraós Superstars” pretende fazer uma reflexão sobre a popularidade dos faraós, reunindo 250 peças de importantes coleções europeias, provenientes de diferentes períodos históricos, desde antiguidades egípcias, passando pelas iluminuras medievais e pintura clássica até à música pop.
Comentários