Lloyds compra negócio de cartões ao Bank of America por 2,26 mil milhões

É a primeira aquisição do banco desde que é liderado pelo português António Horta Osório.

Luke MacGregor/Bloomberg

O Lloyds Banking Group anunciou hoje que chegou a acordo para adquirir a MBNA, uma sociedade especializada no negócio de cartões de crédito da FIA Jersey Holdings Limited, subsidiária integral do Bank of America no Reino Unido.

“Esta aquisição é consistente com as ambições estratégicas do Grupo de crescer em Consumer Finance (crédito ao consumo),” disse o Lloyds, em comunicado. Adiantou que permitirá ao Grupo melhorar sua quota de mercado em 11 pontos percentuais, passando a dominar 26% do principal mercado de cartões de crédito do Reino Unido.

Antes da aquisição a quota de mercado do Lloyds nos cartões era de 15%.

O negócio da MBNA adquirido pelo Lloyds, que compreende ativos brutos de 7 mil milhões de libras (8,34 mil milhões de euros), deverá proporcionar fortes retornos financeiros e criar um valor significativo para os acionistas, refere a instituição.

A transação está prevista concluir até o final do primeiro semestre de 2017, sujeito à recepção do pedido de aquisição pela autoridade da concorrência e da aprovação regulamentar.

O Lloyds espera com esta aquisição obter um retorno do Investimento que exceda o custo do capital no primeiro ano e que essa taxa de retorno do investimento aumente para cerca de 17% no segundo ano completo após a aquisição.

O banco liderado por António Horta Osório prevê também um aumento do EPS (resultados por ação) depois da aquisição de cerca de 3% e 5% no primeiro e segundo anos completos após a aquisição.

A aquisição trará um aumento de 650 milhões de libras (774,4 milhões de euros) por ano (cerca de 4%) às receitas do Grupo bancário e aumentará a margem financeira líquida (juros) em cerca de 10 pontos base por ano.

O Lloyds diz que há também uma oportunidade significativa de obter sinergias de custos, esperadas em cerca de 100 milhões de libras (119 milhões de euros) por ano, durante dois 2 anos, representando cerca de 30% da base de custos da MBNA em 2015.

No primeiro semestre de 2016, os ativos brutos adquiridos renderam lucros pós-impostos de 123 milhões de libras (no ano de 2015 esses lucros ‘post-tax’ tinham sido de  166 milhões de libras). Esses activos estão a ser adquiridos por uma contrapartida em dinheiro de 1,9 mil milhões de libras (2,26 mil milhões de euros).

O preço de compra inclui cerca de 0,8 mil milhões de libras de capital adquirido e assume 240 milhões de libras esterlinas para futuros sinistros com PPI (Seguro de protecção de pagamento) com a exposição do Grupo ao passivo PPI limitada a este montante.

O Lloyds afirma ter uma estratégia multi-marca e diz que a marca MBNA será mantida.
A aquisição é financiada através de geração de capital orgânico e atualmente é esperado que consuma aproximadamente 80 pontos base do rácio de capital Common Equity Tier 1, (CET1).

Mas o banco diz que esta aquisição aumentará ainda mais os ganhos futuros e a geração de capital.

O Lloyds Bank reafirma a forte geração de capital e o resultado disso é que continua confiante que vai distribuir dividendos em 2016 e mantém a meta de ter um rácio de pagamento (payout ratio) de pelo menos 50 por cento dos lucros a médio prazo.

“Em linha com a nossa política, a abordagem do Grupo para a distribuição de dividendos terá devidamente em conta a visão do Conselho de Administração sobre o nível atual de capital necessário para atender às exigências regulatórias, cobrir incertezas e fazer crescer o negócio, o que inclui o impacto no capital desta operação”, diz o comunicado.

António Horta-Osório, Presidente do Grupo, disse que “a aquisição, financiada através de forte geração interna de capital, aumenta a nossa participação no mercado de cartões de crédito do Reino Unido em expansão com uma estratégia multi-marca e é um passo em frente no nosso objetivo estratégico de crescimento sustentável do Lloyds Bank como um banco comercial e de retalho focado no Reino Unido”.

O banqueiro português acrescenta que “a marca MBNA e o seu portfólio (de cartões de crédito)  são um bom complemento do nosso negócio de cartões. Temos o compromisso de fornecer aos seus clientes valor e um excelente serviço. A  nossa relação custo-benefício e a comprovada capacidade de integração proporcionarão sinergias significativas e valor para os nossos acionistas “.

 

Relacionadas

CGD: Governo e Presidente pediram conselhos a António Horta Osório

O presidente da CGD deverá vir de Londres. A TVI 24 avança com o nome de Miguel Azevedo do Citigroup.

Lloyds sobe 29% os lucros até Setembro

Já no que se refere ao trimestre propriamente dito (Junho a Setembro) o Lloyds divulgou uma queda anual de 68% no lucro líquido para 219 milhões de libras (245 milhões de euros). Tudo por causa de uma provisão extraordinária de mil milhões de libras para indemnizar clientes de vendas indevidas de seguros de crédito.

Lloyds elimina mais 665 empregos e encerra 49 agências

O banco britânico Lloyds eliminou mais 665 empregos e encerrou 49 agências no âmbito de um plano de corte de custos iniciado há dois anos, referiu hoje em comunicado o sindicato que representa os seus trabalhadores.
Recomendadas

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.

Bankinter é mecenas da exposição “Faraós Superstars” na Fundação Gulbenkian

A exposição “Faraós Superstars” pretende fazer uma reflexão sobre a popularidade dos faraós, reunindo 250 peças de importantes coleções europeias, provenientes de diferentes períodos históricos, desde antiguidades egípcias, passando pelas iluminuras medievais e pintura clássica até à música pop.

PremiumMapfre “atentíssima” à Fidelidade ou a seguradoras em crise

Há seguradoras com debilidades em Portugal, pressionadas pelo ramo automóvel, que estão na mira da Mapfre. O grupo admite crescer através da aquisição destas entidades, mas também não descarta olhar para a Fidelidade caso a Fosun decida vender.
Comentários