Lloyds corta em 220 mil libras a remuneração anual do CEO António Horta-Osório

Os bancos ingleses têm estado a ser alvo de críticas por causa da discrepância entre o plano complementar de pensões dos administradores executivos e os restantes colaboradores. A redução de pensões do CEO do Lloyds ocorre quando o banco oferece um aumento de 20 milhões de libras (23,4 milhões de euros) para o restante do pessoal.

Horta Osório | Cristina Bernardo

O Financial Times avança que o Lloyds Bank decidiu cortar o plano complementar de pensões do seu CEO, António Horta-Osório, o que na prática se traduz num corte anual de 220 mil libras (257,5 mil euros) na sua remuneração.

António Horta-Osório, presidente executivo do Lloyds, recebe um subsídio de pensão no valor de 33% do seu salário, em comparação com uma contribuição média de 13% do salário para o restante dos 65.000 funcionários do banco, sinaliza o FT.

A redução de pensões do CEO ocorre quando o banco oferece um aumento de 20 milhões de libras (23,4 milhões de euros) para o restante do pessoal. Esta é a forma de o banco abordar as críticas à sua generosa política de pensões aos gestores executivos.

Segundo o FT, o Grupo Lloyds Bank que também detém os Halifax, Bank of Scotland e Scottish Widows, disse aos acionistas que planeia dar a todos os funcionários uma contribuição anual de pensões equivalente a 15% do salário-base do próximo ano.

O CEO recebeu um pagamento total de 6,3 milhões de libras em 2018. Para este ano, receberá 2,8 milhões de libras de base, além dos prémios. Horta-Osório foi um dos vários executivos do setor bancário que foram criticados por parlamentares e ativistas no início deste ano após a entrada em vigor das novas diretrizes de governance, que recomendam que os complementos de pensão dos executivos fossem alinhados com a maioria dos funcionários do banco.

Este mês, o Standard Chartered disse que reduziria pela metade as verbas concedidas ao CEO Bill Winters e ao administrador financeiro Andy Halford, meses depois dos investidores terem, numa conference-call, apelidado o seu salário de “imaturo e inútil”, diz o FT. O complemento de pensão de Horta-Osório já havia sido reduzido este ano em 46% do seu salário de 2018, o que o banco disse estar alinhado com as diretrizes que recomendam que os complementos salariais poderiam ser reduzidos gradualmente.

No entanto dos deputados da comissão de trabalho e pensões da Câmara dos Comuns acusaram o Lloyds de mostrar “ganância sem limites” ao se recusar a cortar os complementos salariais mais rapidamente, diz o FT.

O banco também cortou o valor que Horta-Osório recebia em substituição de uma antiga pensão que o banqueiro prescindiu quando ingressou no Lloyds, mas a mudança – que vale apenas 3.000 libras este ano – foi descrita como um “pedaço obsceno de simbolismo” por um membro do sindicato dos bancários.

Um porta-voz do Lloyds disse ao FT que “De acordo com a revisão regular de três anos da política de remuneração do grupo, o banco estava a consultar os acionistas sobre todos os elementos da política de remunerações, incluindo os subsídios de pensão. Como afirmado anteriormente, o grupo continuará a cumprir as diretrizes estabelecidas pela Associação de Investimentos e, uma vez aprovada pelo conselho, a nova política de remuneração proposta será apresentada aos acionistas para aprovação na Assembleia Geral de 2020 ”.

Relacionadas

Resultados do Lloyds Bank caem 47% nos primeiros nove meses do ano e desiludem analistas

O banco que tem o presidente executivo (CEO) do Lloyds, António Horta Osório, apresentou lucros abaixo da expectativa. Num comunicado, o grupo bancário britânico indicou à Bolsa de Valores de Londres que os resultados líquidos se cifraram em 1.987 milhões de libras (2.300 milhões de euros) nos primeiros nove meses, contra 3.740 milhões de libras (4.805 milhões de euros) no mesmo período de 2018.

Lloyd´s e Santander Brasil nos ‘rankings’ da Fortune de empresas sustentáveis de 2019

O Lloyds Banking Group, que tem à frente António Horta Osório, entrou para dois rankings da revista norte-americana: Fortune Change the World list 2019 e Fortune Change the World Sustainability All Star List. No primeiro está em 31º lugar e no segundo em 3º. O Santander Brasil figura no Top10 dos dois.

Horta Osório e António Simões estão na corrida para liderar banco britânico HSBC

Em 2017, aquando da saída de Stuart Gulliver, Horta Osório e António Simões também estiveram entre os candidatos à sucessão, mas a escolha recaiu sobre John Flint.
Recomendadas

Crise energética. CGD limita luzes de Natal na sede

Apenas a fachada principal da sede da Caixa Geral de Depósitos estará iluminada este ano, devido à crise energética, anuncia o banco. A ficha será desligada às 22h00, todos os dias.

Bancos têm de cumprir reserva de fundos próprios de 0,25% a 1% em 2023

O BCP tem de ter uma reserva de 1%, tal como a CGD. O Santander e BPI têm de ter no seu rácio uma reserva de 0,5% e ao Banco Montepio é exigida uma reserva de 0,25%, tal como à Caixa de Crédito Agrícola. Sendo que todos têm de cumprir este ‘buffer’ a partir do dia 1 de janeiro de 2023, excepto o Crédito Agrícola.

Respostas Rápidas: Qual o universo de créditos à habitação abrangidos pelo diploma do Governo?

O Ministério das Finanças publicou um conjunto de perguntas e respostas que procura responder de forma simples a dúvidas sobre o diploma que mitiga os custos com o crédito à habitação. Nele traça um universo potencial de aplicabilidade da medida. Há cerca de 2,1 milhões de devedores com empréstimo à habitação, dos quais 90% têm contratos com taxa de juro variável. 
Comentários