Lojas físicas serão responsáveis por 78% das compras feitas até 2024

O crescimento digital do setor do retalho ainda não é suficiente para ultrapassar a preferência dos consumidores pelas compras em loja física

Os últimos dois anos marcam o salto digital das empresas que se adaptaram à pandemia e à nova realidade do consumidor, especialmente no setor do retalho. Segundo dados da multinacional EY, 36% das empresas estão a investir na digitalização da jornada do cliente. Contudo, apesar do foco nos canais digitais, o estudo realizado pelo Euromonitor International identificou que 78% de todas as compras realizadas no mundo serão feitas em lojas físicas até 2024.

A necessidade de integração entre as experiências de compra física e digital é um dos grandes desafios enfrentados pelas empresas, chamado por especialistas como “Phygital Experience”. Segundo a senior account manager da E-goi Digital Solutions, Joana Reis, há algumas soluções tecnológicas que facilitam esta integração.

Uma das formas mais comuns é a de monitorização de comportamento em estabelecimentos comerciais. “A partir do momento em que o cliente acede à rede Wi-fi da loja, o tracking em loja física permite, desde a entrada até a saída, saber todos os detalhes sobre o percurso efetuado”, explica Joana Reis.

Com base nos insights previamente recolhidos com a análise comportamental anterior, o próximo passo são as recomendações de compra em tempo real. “Começam a surgir soluções com recomendações personalizadas, suportadas por Inteligência Artificial, e que tenham por base o perfil do cliente, o seu histórico de compras e outras informações disponíveis”, acrescenta.

Para garantir uma experiência coerente, relevante e verdadeiramente unificada, Joana Reis destaca uma peça importante no desenho de uma estratégia Phygital: o atendimento em loja. “Quanto mais informações forem partilhadas com os vendedores, nomeadamente o perfil do cliente em loja, qual a possibilidade de churn e sugestões de produtos que podem ser oferecidos a seguir com chances de compra, maior será a probabilidade de se esbater a fronteira entre o digital e o físico, uma vez que a informação é tratada, partilhada e posteriormente trabalhada pelos vendedores para maior conversão”, acrescenta Joana Reis.

Todos os dados recolhidos nas soluções podem ser integrados num Customer Data Platform (CDP), que permite obter uma visão 360º de cada cliente. “As informações recolhidas na loja física e online complementam-se, para oferecer ao consumidor uma experiência completa e personalizada, com base no seu comportamento e interesses. Para completar a estratégia Phygital, recomendamos o envio de comunicações omnicanal, que podem ser automatizadas, de forma a que o cliente receba mensagens impactantes no momento e no canal de comunicação mais conveniente”, explica a senior account manager da E-goi Digital Solutions. No setor do retalho, o uso do CDP aliado à automação de marketing pode gerar um aumento de 29% das vendas, segundo dados da consultoria Forrester.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a E-goi.

Recomendadas

“Somos reconhecidos como um país produtor com qualidade e excelência”

Deolinda Silva, Diretora Executiva da Portugal Foods diz que o sector agroalimentar português deve apostar na qualidade dos seus produtos para se afirmar internacionalmente.

i4.0 – Lead the Digital Transformation: dois anos de trabalho que chegam ao fim

A INOVA-RIA, a SANJOTEC e a Associação FRAUNHOFER Portugal Research, cientes das suas responsabilidades no tema da indústria 4.0 e transformação digital, promoveram, ao longo dos últimos dois anos, o projeto i4.0 – Lead the Digital Transformation.

A chave de uma cultura orientada para os dados

Os dados e a análise nunca foram tão críticos para a resiliência digital e a sobrevivência dos negócios como hoje. Mais do que a entrega de dados e análises aos utilizadores, há que transmitir conhecimentos acionáveis para conduzir a tomada de decisões, automatizar processos de forma eficiente e colaborar eficazmente.
Comentários