Lomi: compostagem de resíduos orgânicos em casa

O Lomi é um dispositivo onde podem ser colocados resíduos orgânicos, como cascas de frutas e legumes, para fazer a compostagem em casa. Os resíduos são transformados num fertilizante natural rico em nutrientes que pode ser utilizado, por exemplo, para jardinagem.

Os resíduos orgânicos, como cascas de fruta e legumes, muitas vezes, vão parar ao lixo e acabam em aterros, provocando a libertação de metano na atmosfera. O Lomi foi criado para dar uma nova vida a estes resíduos. Desenvolvido pela empresa canadiana Pela Labs, este dispositivo doméstico tem um compartimento onde podem ser colocados os resíduos, fazendo a compostagem em apenas quatro horas. 

A reciclagem é feita através de um processo de corte e aquecimento que simula o ciclo de compostagem da natureza. Desta forma, os resíduos são transformados num fertilizante natural rico em nutrientes e que pode ser utilizado, por exemplo, para jardinagem. 

Além de resíduos de produtos alimentares, o Lomi é capaz de transformar também plásticos biodegradáveis. 

Colocando nas cozinhas uma alternativa às grandes infraestruturas de gestão de resíduos, esta solução permite reduzir até 50% dos resíduos de cada casa, promovendo a sustentabilidade.

O Lomi pode ser adquirido por 599 euros. A Pela Labs tem como meta inicial a venda de 10 milhões de unidades, que terão a capacidade de “absorver” o carbono equivalente ao de milhões de árvores.

Artigo original publicado em SuperToast by INSTINCT.
Também disponível em Newsletter e Podcast.

Recomendadas

“Em cinco anos, o mercado das telecomunicações vai mudar completamente”

Com uma quota de mercado de 35%, a Vantage Towers é o segundo maior operador de torres de telecomunicações em Portugal, atrás da Cellnex. Nada que preocupe Paolo Favaro, o CEO da Vantage. Em entrevista ao NOVO Economia, o gestor diz que há dezenas de milhões de euros na calha para construir novas instalações. Quanto ao 5G, a empresa já preparou mais de 1.500 sites.

Beta-i fez 25 projetos de inovação no Brasil este ano: “Houve uma tropicalização forte da oferta europeia”

Renata Ramalhosa, cofundadora e CEO da consultora de inovação Beta-i Brasil, afirma ao JE que este é “um mercado grande” e “com muitas possibilidades”, mas requer “foco” senão as pessoas “perdem-se neste mar de oportunidades”.

Portugueses e espanhóis em maioria no Natal e fim de ano na região Centro

Turistas portugueses e espanhóis lideram as reservas nas épocas de Natal e fim de ano na região Centro e as projeções da entidade regional de turismo apontam para volumes de reservas e valor superiores a 2019.
Comentários