De Londres para Paris: Grandes bancos europeus preparam saída do Reino Unido

Algumas entidades têm planos já definidos para mudar a sede das suas atividades, segundo o regulador financeiro de França, Benoit de Juvigny. E não são apenas os grandes bancos europeus que planeiam sair.

Alguns dos grandes bancos europeus têm planos avançados para transferir as suas operações de Londres para Paris depois da saída britânica da União Europeia, de acordo com o regulador financeiro de França, Benoit de Juvigny.

Os “grandes bancos internacionais” começaram a avaliar detalhadamente os passos para estabelecer uma filial na capital francesa, declarou ontem o regulador à cadeia BBC.

Além disso, acrescentou, muitas outras empresas começaram a assessorar-se sobre a possibilidade de sair de Londres após o Brexit, previsto para início de 2019, depois das negociações sobre a saída que começarão previsivelmente em 2017.

As empresas de serviços financeiros com sede no Reino Unido podem ter dificuldades para continua a operar na UE após o Brexit, uma vez que ainda existe grande incerteza sobre a futura relação entre Reino Unido e o bloco europeu.

Esta incerteza, referiu a BBC, impulsionou muitas empresas a colocar em marcha planos de contingência para levar a maior fatia dos negócios para outra cidade da União Europeia, entre estas Paris, Frankfurt, Dublin, Luxemburgo, Amesterdão, Madrid ou Brastislava.

O regulador francês acrescentou que o seu departamento poderá ter de ser ampliado de forma a atender mais empresas que o procuram para aconselhamento.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários