Longe do ‘impeachment’, Trump anunciou em Davos que os EUA vão aderir à iniciativa para plantar um bilião de árvores

O presidente dos Estados Unidos participou pela segunda vez na reunião dos líderes mundiais no Fórum Económico Mundial, no mesmo dia em que arranca o seu processo de destituição no Senado.

Fabrice Coffrini/AFP via Getty Images

Donald Trump foi ao Fórum Económico Mundial na cidade suíça de Davos falar do desempenho económico dos Estados Unidos e anunciar que pretende plantar um bilião de árvores.

No dia em que começa a ser julgado o seu processo de destituição (impeachment) no Senado, o presidente dos Estados Unidos optou deu destaque ao que considera ser o “‘boom’ económico” do seu país.

“Quando discursei neste fórum há dois anos disse-vos que tínhamos assistido ao maior regresso da América. Hoje posso dizer com orgulho que os Estados Unidos estão a meio de um ‘boom’ económico como o mundo nunca antes viu”, começou por dizer Donald Trump esta terça-feira, citado pela Reuters.

Trump apontou que este crescimento teve lugar “apesar” da Reserva Federal dos EUA (Fed) ter “elevado as taxas muito rapidamente e reduzido-as muito lentamente”.

O líder norte-americano realçou que o país recuperou de uma crise económica “ao nosso ritmo, descobrimos o nosso espírito e voltamos a acordar a nossa poderosa máquina de empreendimento”. Donald Trump fez questão de salientar que antes da sua chegada à Casa Branca, “os especialistas apontavam para um elevado nível de desemprego, e uma queda da economia dos Estados Unidos”.

O presidente chamou também a atenção para os recentes acordos comerciais que os Estados Unidos fizeram com a China e o México representam “um novo modelo de negociação para este século”.

“O tempo do ceticismo acabou”, referiu Donald Trump, agradecendo aos líderes empresariais por trazerem os seus investimentos e fábricas de volta aos Estados Unidos.

EUA juntam-se na plantação de um bilião de árvores. Greenpeace não fica impressionada

Durante o seu discurso, Donald Trump anunciou que os Estados Unidos vão juntar-se à iniciativa que visa plantar um bilião de árvores no mundo.

No entanto, este anúncio do presidente norte-americano não deixou impressionada a Greenpeace. Jennifer Morgan, diretora executiva da Greenpeace, referiu ao jornal “The Guardian”, que esta iniciativa “não compensa um último ataque mais amplo à emergência climática”.

Jennifer Morgan respondeu diretamente a Donald Trump salientando que “assumir pode ter uma América grande, lucrativa e os americanos felizes sem entender o risco que as mudanças climáticas provocam para os americanos é surpreendente”.

Questionada sobre o que deveria então Donald Trump fazer, a diretora da Greenpeace, frisou que o líder norte americano “deveria implementar um plano climático abrangente, socialmente justo, que reduziria as emissões a zero até 2040 e deixaria os combustíveis fósseis no chão”.

“O Senado deve rejeitar impeachment e absolver o presidente imediatamente”, apela defesa de Trump

 

Relacionadas

“O Senado deve rejeitar impeachment e absolver o presidente imediatamente”, apela defesa de Trump

O processo de destituição de que o presidente norte-americano é alvo surgiu pelas acusações de abuso de poder durante a sua administração, por ter pressionado o homólogo da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, a abrir uma investigação ao filho do potencial candidato democrata à Casa Branca Joe Biden, Hunter Biden, e porque terá obstruído uma investigação do Congresso sobre a sua conduta enquanto governante.

Senado norte-americano começa hoje apreciação do ‘impeachment’ de Trump

Tudo indica não só que Trump escapará sem ser demitido, como também que dificilmente será afetado pelas repercussões do processo quando chegarem as eleições de novembro.
Recomendadas

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.
Comentários