Lourenço considera que ainda não é tempo para eleições autárquicas em Angola

No discurso de comemorações dos 64 anos do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), hoje em Luanda, João Lourenço acusou alguns partidos e forças da sociedade civil de se posicionarem como se “fossem as únicas interessadas” na realização de eleições autárquicas.

José Sena Goulão / EPA

O Presidente angolano e líder do MPLA, João Lourenço, disse hoje que este não é ainda o tempo para eleições autárquicas em Angola e prometeu uma profunda renovação do partido no Congresso de 2021.

No discurso de comemorações dos 64 anos do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), hoje em Luanda, João Lourenço acusou alguns partidos e forças da sociedade civil de se posicionarem como se “fossem as únicas interessadas” na realização de eleições autárquicas.

Lourenço recordou que o MPLA, através do seu Grupo Parlamentar, “muito tem contribuído com a aprovação das leis que fazem parte do chamado Pacote Legislativo Autárquico”, mas disse que ainda não há condições para realizar eleições autárquicas em Angola.

“Assistimos a um coro de lamentações e de manifestações pela não realização das (eleições autárquicas) no decorrer deste ano que agora termina, como se fosse suficiente reivindicar para que elas sejam realizadas, o que não é verdade e muito menos possível”, reconheceu o líder do MPLA.

“Mas nós somos um Estado Democrático de Direito, que deve assentar toda sua ação na base da lei. O país deve instituir o poder autárquico? Sim, mas não a qualquer preço, de forma ilegal e atabalhoada, porque se o fizéssemos e o MPLA vencesse a esmagadora maioria das câmaras, temos a certeza de que seriam essas mesmas forças que de forma irresponsável dizem poder se organizar já essas eleições, que invocariam ter havido fraude, só porque não as ganharam”, explicou João Lourenço.

Recordando que 2021 será o ano da realização do próximo Congresso do MPLA, João Lourenço propõe-se realizar uma “renovação superior” dos diferentes órgãos do partido, preparando assim o seu candidato para as eleições gerais de 2022.

“Na composição dos nossos órgãos de Direcção, para além de prestarmos sempre particular atenção à representatividade feminina e juvenil, precisamos de atrair franjas da sociedade e grupos representativos de cidadãos que, de forma mais abrangente, reflitam melhor o mosaico étnico-cultural, empresarial e académico-científico nacional”, prometeu o líder do partido.

Recomendadas

São Tomé/Eleições: Guiné-Bissau felicita ADI e Patrice Trovoada pela vitória

O Governo da Guiné-Bissau felicitou São Tomé e Príncipe pela realização de eleições legislativas que descreveu como “livres e transparentes”, assim como a Ação Democrática Independente (ADI), liderada por Patrice Trovoada, pela vitória.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

São Tomé. Trovoada apela à calma e pede ao presidente da comissão eleitoral que respeite o povo

O líder da Ação Democrática Independente (ADI), que reivindica vitória por maioria absoluta nas legislativas de São Tomé e Príncipe, apelou hoje à calma dos são-tomenses e exortou o presidente da Comissão Eleitoral Nacional (CEN) a “respeitar o povo”.
Comentários