Low Carbon 100 Europe Index renovado

O grupo de mercados bolsistas europeu, Euronext, apresentou a “maior alteração de sempre à metodologia utilizada para a elaboração do Low Carbon 100 Europe Index”.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Euronext apresentou uma nova versão do Low Carbon 100 Europe Index. A Schneider Electric que divulgou a informação e a EDP Renováveis são empresas que operam em Portugal e que operam em Portugal. 

O grupo de mercados bolsistas europeu, Euronext, apresentou a “maior alteração de sempre à metodologia utilizada para a elaboração do Low Carbon 100 Europe Index”. De acordo com a Schneider Electric que integra o índice, “a nova metodologia revoluciona a abordagem tradicional à avaliação das emissões de CO2 pelas empresas. Este novo método é baseado em formas de mensuração do desempenho energético mais eficientes, oferecendo aos investidores uma solução de indexação única”.

Em 2008, o Euronext foi o primeiro grupo de mercados bolsistas a lançar um index pan-europeu focado nas emissões de CO2, concebido por especialistas internacionais em colaboração com várias ONG. “O Low Carbon 100 Europe Index identifica o desempenho das 100 maiores empresas europeias com as mais baixas taxas de emissão de CO2 no seus setores e segmentos de atividade”, explica a Schneider Electric.

A nova versão do index, designada de Carbone 4, baseia-se “numa avaliação mais aprofundada e relevante da pegada de carbono de cada empresa. Permite identificar, pela primeira vez, as empresas que estão a contribuir positivamente para o processo de transição, não só com o seu desempenho diário mas também, pelos produtos que disponibilizam. A seleção das empresas que integram o index reflete ainda as emissões evitadas como resultado das suas abordagens a produtos e serviços”, explica a tecnológica.

Anthony Attia, presidente e CEO do Euronext Paris, afirma: “enquanto operador de mercado, o Euronext desempenha um papel importante na aplicação de poupanças e investimento na transição energética. Esta nova metodologia confirma o nosso compromisso em oferecer aos nossos investidores normas cada vez mais relevantes para o portfolio de gestão  e um ativo adequado para diferentes produtos adjacentes.”

Pascal Canfin, presidente do Expert Committee do Low Carbon 100 Europe Index, refere: “o setor financeiro necessita de novas linhas orientadoras no seu percurso, necessárias também para mudar o foco para investimentos que cumprem com o 2° objetivo para o aquecimento global. Este novo índice é o primeiro no mundo projetado para refletir um arco de investimentos que dá precisamente resposta a estas necessidades.”

Frédéric Janbon, CEO do BNP Paribas Investment Partners, adianta: “de acordo com nosso papel inovador na SRI, a BNP Paribas Investment Partners uniu-se com a Euronext para lançar o primeiro rastreador de emissões de carbono em 2008, na preparação para a COP15, em Copenhaga. Atualmente, após a conferência COP21, em Paris, estamos particularmente satisfeitos com as mudanças no índice, que permitirão aos nossos clientes institucionais e de retalho continuarem a beneficiar da investigação e da inovação numa área que está a moldar o nosso futuro.”

As empresas que compõem o Empresas que integram o Low Carbon 100 Europe Index (lista cedida pela Schneider Electric).

País/Empresa

AT Verbund AG

AT Zumtobel Group AG

CH Credit Suisse Group AG

CH Givaudan SA

CH Lonza Group AG

CH MEYER BURGER TECHNOLOGY AG

CH Nestle SA

CH Novartis AG

CH Roche Holding AG

CH SGS SA

CH Swiss Re AG

CH Swisscom AG

CH UBS Group AG

CH Zurich Insurance Group AG

DE AIXTRON SE

DE Allianz SE

DE Deutsche Bank AG

DE Deutsche Lufthansa AG

DE Deutsche Telekom AG

DE Nordex SE

DE SAP SE

DE SMA SOLAR TECHNOLOGY AG

DE Symrise AG

DE TUI AG

DK DSV A/S

DK Novo Nordisk A/S

DK Rockwool International A/S

DK Vestas Wind Systems A/S

ES Abertis Infraestructuras SA

ES Amadeus IT Holding SA

ES CaixaBank SA

ES EDP Renovaveis SA

ES Ferrovial SA

ES Gamesa Corp Tecnologica SA

ES Iberdrola SA

ES Industria de Diseno Textil SA

ES Red Electrica Corp SA

ES Telefonica SA

FI Fortum OYJ

FI Kone OYJ

FI Nokia OYJ

FI UPM-Kymmene OYJ

FR Alcatel-Lucent

FR Atos SE

FR AXA SA

FR BNP Paribas SA

FR Bouygues SA

FR Cie de Saint-Gobain

FR Danone SA

FR Groupe Eurotunnel SE

FR Kering

FR Klepierre

FR Legrand SA

FR L’Oreal SA

FR Pernod Ricard SA

FR Peugeot SA

FR Renault SA

FR Safran SA

FR Sanofi

FR Schneider Electric SE

FR Valeo SA

GB AstraZeneca PLC

GB Aviva PLC

GB Barratt Developments PLC

GB BG Group PLC

GB Carnival PLC

GB GlaxoSmithKline PLC

GB HSBC Holdings PL

GB Johnson Matthey PLC

GB Kingfisher PLC

GB Lloyds Banking Group PLC

GB London Stock Exchange Group PLC

GB Marks & Spencer Group PLC

GB Prudential PLC

GB Reckitt Benckiser Group PLC

GB RELX PLC

GB Severn Trent PLC

GB Sky PLC

GB Standard Chartered PLC

GB Travis Perkins PLC

GB Unilever PLC

IE Kingspan Group PLC

IE Smurfit Kappa Group PLC

IT Intesa Sanpaolo SpA

IT Terna Rete Elettrica Nazionale SpA

JE WPP PLC

NL Akzo Nobel NV

NL Heineken NV

NL ING Groep NV

NL Koninklijke Philips NV

NL Wolters Kluwer NV

NO REC SILICON ASA

NO Statoil ASA

NO Telenor ASA

PT EDP – Energias de Portugal SA

SE Atlas Copco AB

SE Electrolux AB

SE Nordea Bank AB

SE Skanska AB

SE Svenska Cellulosa AB SCA

Fonte: Euronext/Schneider Electric

OJE

Recomendadas

Barril de petróleo russo limitado a 60 dólares após acordo entre G7 e Austrália

Após acordo alcançado pela União Europeia, os países do G7, juntamente com Austrália, concordam com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo. Moscovo repete que não aceita.

Redução da produção de petróleo? “Necessária e correta”, diz OPEP+

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu este domingo continuar a aplicar um corte na produção de petróleo em 2023, uma medida que defendeu ser “necessária e correta”.

PremiumMercados somam e seguem

Índices acionistas encerram em alta em novembro, somando segundo ganho mensal consecutivo.