Lucro da Gas Natural Fenosa cresce 10,6% para 1.239 milhões

A Gas Natural Fenosa obteve lucros líquidos de 1.239 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que representa mais 10,6% do que em igual período de 2013, informa a empresa à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV). Segundo a nota, o resultado inclui as mais-valias provenientes da venda da GNF Telecomunicaciones […]

A Gas Natural Fenosa obteve lucros líquidos de 1.239 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que representa mais 10,6% do que em igual período de 2013, informa a empresa à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV).

Segundo a nota, o resultado inclui as mais-valias provenientes da venda da GNF Telecomunicaciones por 252 milhões de euros e uma deterioração por imobilizado de 47 milhões de euros, com o seu correspondente efeito fiscal.

O lucro líquido ajustado caiu 2,6% até setembro devido ao impacto regulatório em Espanha e à depreciação das moedas, fundamentalmente as latinoamericanas.

Até setembro o grupo registou um EBITDA (resultados operacionais reais antes de provisões, impostos e amortizações) de 3.606 milhões de euros (menos 2,3%) num contexto macroeconómico, energético e regulatório que a empresa considera “muito exigente”.

Sem ter em conta o impacto regulatório (151 milhões de euros) e a depreciação de divisas (80 milhões de euros) o EBITDA teria aumentado 4% para 3.837 milhões de euros.

OJE/Lusa

Recomendadas

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.