Lucro da Martifer sobe 79% para 11,3 milhões de euros em 2021

A Martifer registou lucros atribuíveis ao grupo de 11,3 milhões de euros em 2021, um crescimento de 79% em relação a 2020, quando obteve 6,3 milhões de euros, de acordo com um comunicado hoje divulgado.

A Martifer registou lucros atribuíveis ao grupo de 11,3 milhões de euros em 2021, um crescimento de 79% em relação a 2020, quando obteve 6,3 milhões de euros, de acordo com um comunicado hoje divulgado.

Os rendimentos operacionais da empresa registaram, por sua vez, um decréscimo de 8,2%, para 228,7 milhões de euros, dos quais 125,2 milhões de euros na construção metálica, 91,7 milhões de euros na indústria naval e 13,4 milhões de euros na ‘renewables’, indicou o grupo, numa nota publicada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Por sua vez, o EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) do grupo no ano passado foi de 25,8 milhões de euros, um aumento de 33% face ao período homólogo.

A Martifer revelou ainda que o “volume de negócios gerado fora de Portugal e exportações ascendem a 79% do volume de negócios total do grupo”.

A carteira de encomendas da empresa na construção metálica e na indústria naval foi de 492 milhões de euros, sendo que em 2020 ascendia a 579 milhões de euros.

Por sua vez, “a dívida bruta teve um decréscimo de nove milhões de euros face a dezembro de 2020 para 111 milhões de euros e a dívida líquida teve uma redução de sete milhões de euros para 70 milhões de euros”, lê-se na mesma nota.

“Em 2021, os acionistas renovaram a confiança na equipa de gestão para mais um mandato e para o triénio 2021-2023 definimos um novo plano estratégico alicerçado nos pilares que sustentaram o sucesso dos últimos anos, mas com a ambição renovada de um crescimento sustentado e sustentável”, salientou, no comunicado hoje divulgado.

De acordo com a Martifer, no segmento da construção metálica, a empresa manterá “o foco no reforço do perfil exportador do Grupo, procurando oportunidades em mercados e clientes que valorizam qualidade e excelência, na organização e valorização das pessoas e na produtividade”.

Por outro lado, na indústria naval, o grupo espera aumentar “a capacidade de reparação naval” posicionando-se “como um dos mais importantes estaleiros da Europa nesta área e tornar as atividades de reparação e construção naval cada vez mais balanceadas no peso relativo do volume de negócios”.

No segmento das renováveis e energia, a empresa diz querer “crescer de forma gradual e consistente, aumentando o peso relativo desta unidade de negócio no grupo, aproveitando as oportunidades associadas à transição energética, à descarbonização da economia e ao hidrogénio (através do consórcio GreenH2Atlantic em que participamos)”, recordou.

Recomendadas

JE promove debate sobre o valor económico da indústria farmacêutica (com áudio)

O Fórum da Indústria Farmacêutica realiza-se no Pestana Palace Lisboa Hotel, a partir das 9h15, e terá como tema central o valor económico da indústria farmacêutica. Será transmitido, em direto, através da plataforma JE TV, em www.jornaleconomico.pt.

Deloitte diz que reavaliação pedida por Novobanco aos Fundos de Reestruturação gerou perdas de 313 milhões em 2020

No documento da Deloitte, são reveladas as “perdas em fundos [de reestruturação] de 313 milhões de euros, resultantes essencialmente de um processo de reavaliação por entidade externa promovido pelo Novobanco, que resultou numa desvalorização média de cerca de 47% face ao Net Asset Value apresentado nas contas dos fundos” de reestruturação.

França e Espanha são os destinos de férias favoritos dos portugueses

Cá dentro, Funchal, Ponta Delgada, Lisboa e Porto são os locais preferidos, enquanto os períodos curtos de estadia são os mais escolhidos, de acordo com um levantamento feito pela agência de viagens eDreams, que também analisou dados sobre os turistas estrangeiros que fazem férias em Portugal.
Comentários