Lucro da Ren cai 23% para 70,5 milhões de euros

A empresa justifica o decréscimo com a redução de 15,1 milhões de euros no EBITDA e com o aumento de impostos.

O Grupo Ren divulgou hoje, em comunicado à CMVM, os resultados para o terceiro trimestre de 2016. A empresa apresentou um resultado líquido de 70,5 milhões de euros, um valor 23,1% abaixo do registado no período homólogo. O volume de vendas diminuiu de 184 milhões para 174.3 milhões de euros.

O EBITDA fixou-se nos 357,2 milhões de euros, um decréscimo de 4,1% (-15,1 milhões de euros) face ao mesmo período do ano anterior. A contribuir para a evolução negativa do EBITDA está sobretudo o efeito não recorrente da mais-valia gerada em 2015 com a venda da participação de 1% que a REN detinha na Enagás, em parte compensado pelo crescimento dos proveitos de ativos, nomeadamente: A evolução dos proveitos de recuperação de amortizações (+ 4,5 milhões de Euros), consistente com o aumento da base de ativos bruta regulada.

A Ren afirma que “verificou-se uma melhoria do resultado financeiro (+ 7,1 milhões de Euros, +10,0%), reflectindo a redução de 0,5 p.p. no custo médio de financiamento, de 3,96% para 3,44%, apesar da evolução da dívida líquida, que cresceu 1,5% para os 2.484,9 milhões de Euros. Quando expurgado de efeitos não recorrentes, o Resultado Líquido Recorrente do 3º trimestre de 2016 apresenta um crescimento de 3,3% (+ 3,1 milhões de Euros)”.

No 3º trimestre de 2016, o investimento atingiu 73,4 milhões de Euros, uma redução de 72,4 milhões de Euros (-49,7%) face ao mesmo período do ano anterior.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários