Lucro da Toyota Portugal sobe 39,8%, para 7 milhões de euros, no primeiro semestre

No primeiro semestre do ano, a responsável pela comercialização da marca Toyota em Portugal, apresentou um total de vendas de 6.565 unidades, traduzindo-se num crescimento de 17% face ao mesmo período de 2017.

O grupo Toyota Caetano Portugal, responsável pela comercialização da marca Toyota no país, assistiu a um aumento de 39,8% nos lucros, em termos homólogos, para 7,16 milhões de euros, do primeiro semestre de 2018.

A empresa, que resultou do acordo entre a Salvador Caetano e a Toyota Motor Sales, informou ainda o mercado de que os custos financeiros diminuíram 23,8% e que os gastos com o pessoal totalizaram 21 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano.

O EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização – fixou-se nos 21,7 milhões de euros (+27,4% face ao primeiro semestre de 2017) entre janeiro e junho deste ano, de acordo com o relatório de contas, divulgado esta quinta-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Para este desempenho muito contribuiu o crescimento verificado na atividade de viaturas com tecnologia híbrida nomeadamente os modelos Yaris, auris, CHR e RAV4 os quais representam já mais de metade das vendas Toyota no nosso país”, pode ler-se na informação enviada à CMVM.

No primeiro semestre, a marca Toyota apresentou um total de vendas de 6.565 unidades, traduzindo-se num crescimento de 17%, quando comparado com o mesmo período do ano anterior. “Embora as estimativas do setor apontem para crescimento mais lento para o resto do ano de 2018, entendemos como expectável que no grupo Toyota Caetano Portugal se continue a verificar uma tendência de crescimento superior ao do mercado, com ênfase para o segmento dos híbridos, o que proporcionará o reforço da sua sustentabilidade”, antecipa o mesmo documento.

Relacionadas

Toyota Caetano Portugal: acionistas aprovam contas de 2017 e pagamento de dividendos

Na reunião, foi aprovado por unanimidade o relatório de gestão e as contas, individuais e consolidadas, do exercício de 2017.
Recomendadas

“O contexto macroeconómico é favorável à inovação”

O sector depara-se com a necessidade de responder ao aumento da competitividade do mercado, que trabalha com prazos cada vez mais apertados e onde a confiança é essencial. Para isso, é necessário inovar, dizem líderes.

Reter talento e sustentabilidade são os próximos desafios da consultoria

Especialistas acreditam que as inovações tecnológicas vão possibilitar uma melhor adaptação à realidade digital, juntamente com a procura de novas parcerias para servirem melhor os seus clientes. por rodolfo Alexandre Reis

Regulador bancário suíço admite responsabilizar administradores do Credit Suisse

“Não somos uma autoridade judicial, mas estamos a explorar possibilidades de responsabilização”, disse Marlene Amstad, presidente da Finma, numa entrevista publicada hoje no jornal dominical suíço NZZ am Sonntag, em que foi muito crítica da atividade da administração daquele banco.
Comentários