Lucro líquido do HSBC sobe 13,9% para 8.103 milhões no primeiro semestre

No entanto, no seu principal mercado, a Ásia, o banco viu os seus lucros antes de impostos caírem 9,61% para 6.300 milhões de dólares (6.162 milhões de euros).

HSBC, Reino Unido Ranking europeu: 11 Ranking mundial: 48

O lucro líquido do HSBC, o maior banco da Europa, subiu para 8.289 milhões de dólares (8.103 milhões de euros) no primeiro semestre do ano, mais 13,9% do que no mesmo período em 2021, foi esta segunda-feira anunciado.

Nos primeiros seis meses do ano, o volume de negócios do HSBC diminuiu 1,23% para 25.236 milhões de dólares (24.671 milhões de euros) devido a fatores como o “impacto macroeconómico da guerra na Ucrânia” e “o efeito da covid-19” em alguns dos seus principais mercados.

Segundo a entidade com uma forte presença no mercado asiático, todas as regiões em que opera foram rentáveis. No entanto, no seu principal mercado, a Ásia, o banco viu os seus lucros antes de impostos caírem 9,61% para 6.300 milhões de dólares (6.162 milhões de euros).

O lucro bruto total também caiu 15,34 % em relação ao ano anterior para 9.176 milhões de dólares (8.974 milhões de euros).

Quanto ao rácio de solvabilidade, o Tier 1 – fundos próprios de base – este situava-se em 13,6% no final de junho, 2,2 pontos abaixo do valor no final de 2021.

Os depósitos totais ascendiam a 1,56 biliões de dólares (1,53 biliões de euros) no final de junho, uma queda de 6,58% em relação ao ano anterior.

Tendo em conta os resultados, o conselho de administração do HSBC aprovou um dividendo de 0,09 dólares (0,09 euros) por ação.

Na declaração do grupo enviada hoje para a Bolsa de Hong Kong, onde está cotada, o CEO (Chief Executive Officer), Noel Quinn, disse que o banco pretende regressar aos dividendos trimestrais “a partir do início de 2023”.

Quinn garantiu também que “as expectativas de receitas melhoraram desde os resultados de 2021”, apesar de “um ambiente macroeconómico incerto”.

Recomendadas

Sindicatos atentos ao fundo pensões do BCP

Os Sindicatos Verticais da Banca asseguram aos associados do BCP que tudo farão “na defesa dos seus interesses no Fundo de Pensões do banco”.

BCE vigia 31 bancos por riscos associados à subida das taxas de juro

Banco Central Europeu lançou uma revisão dos riscos de taxa de juro e spread de crédito para avaliar a exposição dos bancos. Numa primeira fase irá monitorizar 31 instituições financeiras

BPI reduz participação qualificada na Conduril para 9,62%

O Banco BPI reduziu a sua participação qualificada no capital da Conduril de 10,17% para 9,62%, de acordo com um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).
Comentários