Lucros da EDP Renováveis disparam 147% no primeiro semestre

No primeiro semestre, a EDP Renováveis construiu 116 MW na Europa: 50 MW em Itália, 47 MW em Portugal e 19 MW em França.

Cristina Bernardo

Os lucros da EDP Renováveis subiram 147% para 343 milhões de euros no primeiro semestre face a período homólogo.

Os resultados da empresa liderada por João Manso Neto tiveram o impacto positivo do aumento da capacidade da elétrica, mais 71 milhões de euros face a período homólogo, do maior preço médio de venda, mais 29 milhões, e do impacto cambial positivo, mais 27 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) subiu 40% para 297 milhões de euros, com as receitas a aumentarem 9% para 1.005 milhões.

Já a dívida líquida disparou 668 milhões de euros face ao final de 2018, “refletindo por um lado a caixa gerada por ativos, e por outro lado os investimentos realizados” e impactos cambiais.

A empresa aumentou o seu portefólio em 720 megawatts no semestre: 318 MW na América do Norte, 266 MW na Europa e 137 MW no Brasil.

No primeiro semestre, a EDP Renováveis construiu 116 MW na Europa: 50 MW em Itália, 47 MW em Portugal e 19 MW em França.

Recomendadas

CEO portugueses preveem parcerias estratégicas para empresas crescerem, revela KPMG

No que toca a medidas para o futuro, a estratégia preferida dos CEOs portugueses (36%) para atingir os objetivos de crescimento das suas empresas é a criação de alianças com parceiros estratégicos, por oposição a 26% dos CEOs internacionais. As Fusões e Aquisições (F&A) seguem em segundo lugar destas medidas, com votos de 28% dos CEOs portugueses e de 11% dos CEOs internacionais.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Luís Laginha de Sousa quer reafirmar caminho que tem sido feito pela CMVM

As linhas de atuação da nova administração do regulador de mercados, cuja cerimónia de tomada de posse decorreu esta segunda-feira no Ministério das Finanças, não significam “qualquer rutura com o caminho que a CMVM tem vindo a seguir”, garante Luís Laginha de Sousa.
Comentários