Lucros da Estoril-Sol sobem 11%, para 8,7 milhões de euros

As receitas líquidas arrecadadas com o imposto do jogo foram de cerca de 50 milhões de euros.

O grupo Estoril-Sol, responsável pela exploração dos casinos do Estoril, Lisboa e Póvoa do Varzim, apresentou um aumento de 10,9% nos lucros atribuíveis aos seus acionistas no primeiro semestre de 2018, em comparação com o período homólogo do ano passado.

A empresa reportou um resultado líquido consolidado atribuível de 8,72 milhões de euros, o que compara em alta com os 7,86 milhões de euros assinalados entre janeiro e junho de 2017. As receitas líquidas arrecadadas com o imposto do jogo foram de cerca de 50 milhões de euros.

O EBITDA – lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização – fixou-se nos 20,3 milhões de euros (+1,5% face ao primeiro semestre de 2017), de acordo com o relatório e contas, divulgado esta quinta-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Nos primeiros seis meses do ano o grupo fez investimentos no valor de 1 milhão de euros, sobretudo em marketing e publicidade e também na dinamização e aumento da oferta de entretenimento, lazer e restauração nos espaços que explora. A aposta levou à subida de 6,9% dos custos operacionais.

“Num esforço concertado de equilíbrio financeiro e menor dependência de terceiros, o grupo tem vindo a reduzir sucessivamente o seu passivo bancário, tendo dessa redução resultado uma diminuição significativa dos encargos financeiros suportados pelo Grupo. No final de junho de 2018 o passivo bancário do grupo ascendia a 2,5 milhões de euros”, refere a mesma nota.

Recomendadas

Exposição no Museu da Marinha celebra a amizade entre Alberto I do Mónaco e Dom Carlos I

No âmbito das comemorações do centenário do desaparecimento do Príncipe Alberto I do Mónaco, o Museu de Marinha de Lisboa irá acolher uma exposição organizada pelo Comité Albert Ier – 2022. Estará patente ao público a partir de dia 15. A inauguração, na véspera, conta com a presença do atual Príncipe do Mónaco, Alberto II.

“Trair e Coçar é só começar” vai ter dois ensaios solidários

O público português tem a oportunidade de assistir aos últimos ensaios antes da grande estreia e apoiar, assim, duas associações de solidariedade.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.
Comentários