Lucros da Nissan aumentam 37,4%

O crescimento das receitas e a melhoria da rentabilidade da Nissan durante o primeiro semestre do ano fiscal foram impulsionados pela procura crescente dos veículos na América do Norte e por uma recuperação na Europa Ocidental.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

As receitas líquidas da Nissan subiram 15,3% para 44 mil milhões de euros no primeiro semestre de 2015, os lucros aumentaram 27,4% para 2,4 mil milhões de euros no mesmo período. Os modelos crossovers têm sido o “pilar essencial deste forte crescimento”, avança a construtura em comunicado.

A empresa assinala ainda em comunicado que reforçou a “liderança mundial em veículos elétricos”, no período que corresponde ao período de seis meses decorridos entre 1 de abril e 30 de setembro de 2015.

O destaque vai para o “forte aumento do lucro operacional” e para o “crescimento sustentado das receitas”. A construtora refere em comunicado que “a elevada procura pelos novos produtos lançados na América do Norte e Europa Ocidental, em conjunto com os benefícios resultantes da disciplina constante no controlo de custos e a correção do iene face ao dólar norte-americano, contrabalançaram a queda de mercado no Japão e em vários mercados emergentes”.

nissan

¹ Desde o início do ano fiscal de 2013, a Nissan reporta resultados financeiros calculados pelo método de equivalência patrimonial para a sua joint-venture com a Dong Feng na China. Embora os relatórios de lucro líquido permaneçam inalterados sob esse método contábil, este não reflete as receitas e lucro operacional da Dong Feng-Nissan. ² Lucro líquido atribuível aos acionistas da Nissan Motor Co. Ltd.

 

O lucro operacional subiu para 2,9 mil milhões de euros (395 mil milhões de ienes) para o período, representando uma margem de 6,7% sobre a receita líquida que cresceu 15,3% para 43,9 mil milhões de euros (5,93 biliões de ienes), neste semestre.

“A Nissan registou um sólido crescimento das receitas e uma melhoria da rentabilidade durante o primeiro semestre do ano fiscal, impulsionados pela procura crescente prelos nossos veículos na América do Norte e por uma recuperação na Europa Ocidental, que compensaram a volatilidade do mercado em outros mercados”, disse Carlos Ghosn, presidente e CEO da Nissan Motor.

Numa base pró-forma de gestão, que inclui a consolidação proporcional dos resultados da operação de joint-venture da Nissan na China, a receita líquida do período aumentou para 47,7 mil milhões de euros (6,45 mil milhões de ienes), um crescimento de 14,4% face ao mesmo período do exercício transato. O lucro operacional cresceu 38,8% em relação ao a esse período do ano passado, para 3,4 mil milhões de euros (461,6 mil milhões de ienes), resultando numa margem operacional de 7,2%.

A Nissan vendeu 2,62 milhões de veículos globalmente neste semestre, um aumento de 1,3% face a igual período do ano fiscal 2014.

A melhoria de vendas e lucros decorre de um forte crescimento na América do Norte, com particular destaque para o crossover Rogue e para o familiar Altima, e pelo crescimento da procura na Europa Ocidental pelos crossover X-Trail e Qashqai. Na China, as vendas de veículos de passageiros nos primeiros nove meses do ano calendário aumentou 9,5% para 722.000 unidades, compensando a menor procura no Japão e em vários mercados emergentes.

A Nissan também manteve a sua liderança mundial em veículos elétricos, com vendas acumuladas ultrapassando já as 200.000 unidades. Como parte de sua estratégia de Emissões Zero, a Nissan anunciou em Setembro que o seu best-seller totalmente elétrico Nissan LEAF estará disponível a partir de Janeiro próximo com uma nova bateria de 30 kWh que estende em mais 26% de autonomia de condução, passando para os 250 km.

 

Previsão para o Ano Fiscal de 2015

“Estamos a rever em alta a nossa previsão financeira para o ano completo graças à nossa ofensiva de produto, à nossa continuada disciplina financeira e aos benefícios da nossa aliança estratégica, que estão a dar melhores resultados do que o esperado”, disse Carlos Ghosn.

A revisão em alta é baseada numa previsão de vendas global de 5,5 milhões de unidades para o ano fiscal completo, um crescimento de 3,4% em relação ao ano fiscal anterior.

Com base nesta perspetiva, a Nissan atualizou as suas previsões iniciais entregues na Bolsa de Valores de Tóquio em 13 de maio de 2015. Calculado pelo método de equivalência patrimonial para a sua joint-venture na China e para o ano fiscal que termina em 31 de Março de 2016, as previsões revistas são as seguintes.

A empresa antecipa receitas líquidas para o ano completo de 92,4 mil milhões de euros, um lucro operacional de 5,5 mil milhões de euros, um lucro ordinário de 6,0 mil milhões de euros e resultados líquidos de 4,0 mil milhões.

OJE

Recomendadas

Amazon planeia gastar 95 milhões de euros por ano em publicidade no Twitter

Este valor faz parte da estratégia da retalhista online no regresso à publicidade na rede social agora liderada por Elon Musk, mas está ainda dependente de alguns “ajustes de segurança” na plataforma de anúncios do Twitter.

Comércio online representou 22% de todo o comércio na Black Friday

As compras por MB Way dispararam face a 2019, com uma subida de 1.730%, de acordo com os dados divulgados pelo Forward Payment Solutions (SIBS).

Saídas de capital do Credit Suisse quase estancadas e já se nota regresso de depositantes de elevado património

O banco deverá ter perdido cerca de 10% dos fundos depositados na operação de gestão de ativos, devido a desconfianças dos clientes relativamente à solvabilidade da instituição.