Lucros do BBVA sobem 57,1% na primeira metade do ano

O BBVA obteve um lucro líquido atribuível de 3.001 milhões de euros no primeiro semestre, mais 57,1% que no mesmo período de 2021, devido a receitas mais elevadas da atividade comercial e provisões mais baixas, segundo anunciado esta sexta-feira.

(5,24* / 74,88€**)

O BBVA obteve um lucro líquido atribuível de 3.001 milhões de euros no primeiro semestre, mais 57,1% que no mesmo período de 2021, devido a receitas mais elevadas da atividade comercial e provisões mais baixas, segundo anunciado esta sexta-feira.

Num comunicado enviado esta sexta-feira à Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola (CNMV), o banco explica que este valor inclui despesas não recorrentes registadas no semestre, tais como 201 milhões de euros derivados da compra de agências em Espanha à Merlin ou 416 milhões de euros do BBVA USA e as restantes empresas vendidas à PNC, juntamente com os custos líquidos do processo de reestruturação.

Além disso, as contas beneficiaram de provisões mais baixas, no valor de 112 milhões de euros, principalmente devido a provisões para contingências legais em Espanha, 40,9% inferiores às do ano anterior.

A carteira de créditos a clientes cresceu 10,5% no final do semestre para 361.800 milhões de euros, favorecida pela evolução do crédito a empresas em todas as áreas de negócio e, em menor medida, pelo dinamismo do crédito a particulares, de acordo com o banco.

O rácio de incumprimento do grupo foi de 3,7% em comparação com 4,2% um ano antes, com cobertura para possíveis insolvências de 78%, ligeiramente acima do ano passado.

Os depósitos de clientes cresceram 11,3% para 376.973 milhões, elevando os fundos totais dos clientes para 523.672 milhões depois de aumentar em mais de 9%.

Em termos de solvência, o rácio CET1 do Grupo, totalmente carregado, que inclui todos os requisitos de capital atuais, situou-se em 12,45%, o que lhe permite manter uma ampla almofada em comparação com os 8,60% exigidos ao banco.

Os clientes digitais representam agora 71,4% do total, totalizando 45,5 milhões, enquanto os clientes móveis representam 43,5 milhões e 68,1% do total. As vendas digitais representam 76,7% do total em unidades vendidas.

Em termos das principais áreas de negócio, a Espanha obteve um lucro atribuível de 808 milhões de euros, mais 11,5%, graças ao impulso da atividade, à melhoria da eficiência e à redução das provisões.

O México continuou a ser o país que mais contribuiu para as contas globais, com 1.821 milhões de euros, um aumento anual de 48,3%, graças ao bom desempenho das receitas recorrentes e às provisões “contidas” para perdas com empréstimos.

Na Turquia, o grupo obteve 62 milhões de euros, menos 84% do que no ano anterior, um valor que inclui o impacto da aplicação da contabilidade hiperinflacionária a partir de 01 de janeiro.

A América do Sul, entretanto, obteve 413 milhões de euros no primeiro semestre, pouco mais do dobro do valor do ano passado, devido a maiores receitas recorrentes e menores provisões para perdas de empréstimos, o que “confortavelmente” compensa o crescimento das despesas, num ambiente de elevada inflação em toda a região.

Quanto às principais margens contabilísticas de todo o grupo, o rendimento líquido de juros, que mede as receitas, atingiu 8.551 milhões após um crescimento de 22,9% em relação ao ano anterior.

As comissões líquidas também melhoraram no período, em 14,5% para 2.650 milhões, enquanto o rendimento comercial líquido foi mantido em cerca de 1.000 milhões, levando a uma margem bruta de 11.509 milhões, um aumento de 12,2%.

As despesas de funcionamento aumentaram quase 10% em termos homólogos para 5.054 milhões de euros, num ambiente de “inflação elevada” em todos os países em que opera, explicou o BBVA.

Apesar do acima exposto, graças ao crescimento do rendimento bruto, o rácio de eficiência do banco foi de 43,9%, uma melhoria de 203 pontos de base em comparação com o final de 2021.

Recomendadas

PremiumGestores bancários sem tarimba a gerir períodos inflacionários

Estudo sobre o sector bancário europeu feito pela consultora estratégica Oliver Wyman considera que as instituições financeiras podem não estar preparadas para os impactos do aumento da inflação e do abrandamento da economia na atividade.

Sindicato denuncia que administração da Caixa quer fechar mais 23 agências (com áudio)

O banco estatal registou lucros de 486 milhões no primeiro semestre de 2022. Sindicato recorda que a CGD já encerrou mais de 300 agências em Portugal.

Banco do Brasil regista lucro recorde no primeiro semestre

O banco público, cujas ações são negociadas na bolsa de São Paulo, atribuiu o seu resultado histórico semestral ao salto na carteira de empréstimos graças à recuperação económica a que o país tem assistido até agora este ano.
Comentários