Lucros do Goldman Sachs caem cerca de 48% para 10,4 mil milhões de euros

Os mercados afectaram os resultados do banco norte-americano Goldman Sachs. As comissões de banca de investimento foram de 7,36 mil milhões de dólares, 48% inferiores às de 2021, devido a retornos líquidos significativamente mais baixos tanto na subscrição de ações como na subscrição de títulos de dívida.

NEW YORK – APRIL 27: Financial professionals sit in the Goldman Sachs booth on the floor of the New York Stock Exchange watch a television showing market news April 27, 2010 in New York City. U.S. stocks dropped sharply April 27 after Standard & Poor’s downgraded the debt of Greece and Portugal, sending the Dow Jones industrial average down more than 200 points. (Photo by Chris Hondros/Getty Images)

A Goldman Sachs revelou hoje que teve um lucro de 11.261 milhões de dólares (10.385 milhões de euros) em 2022, menos 47,95% face ao ano anterior, devido a um “contexto económico desafiante”. A rentabilidade dos capitais próprios (ROE) do banco norte-americano fixou-se em 10,2%. O RoTE foi de 11% em 2022.

Os lucros por ação no acumulado do ano 2022 foram de 30,06 dólares, sendo que os resultados por ação só no quarto trimestre totalizam 3,32 dólares. os resultados líquidos do 4º trimestre foram de 1,33 mil milhões de dólares.

O resultado por ação em 2022 traduz uma queda face aos 59,45 dólares no fim de 2021. Também no que toca aos resultados por ação no 4º trimestre a queda foi significativa, já que no período homólogo de 2021 os lucros por ação somaram 10,81 dólares.

As receitas (produto bancário) somaram 47,37 mil milhões de dólares, sendo de 10,59 mil milhões a fatia obtida no quarto trimestre do ano passado.

As receitas líquidas de 47,37 mil milhões de dólares foram 20% inferiores a um forte 2021, principalmente reflectindo receitas líquidas significativamente mais baixas na Gestão de Activos e de Patrimónios e menores receitas líquidas na Banca Global e mercados.

As comissões de banca de investimento foram de 7,36 mil milhões de dólares, 48% inferiores às de 2021, devido a retornos líquidos significativamente mais baixos tanto na subscrição de ações como na subscrição de títulos de dívida, reflectindo um declínio significativo nos volumes que afectou todo o mercado. A destacar ainda a queda de receita líquida na área de advisory, reflectindo uma queda das operações de fusões e aquisições que se verificou em toda a indústria, face aos níveis de actividade elevados do ano anterior.

O banco reporta também que receita líquida de Asset & Wealth Management foi de 13,38 mil milhões de dólares em 2022, ou seja, 39% menos do que em 2021, refletindo principalmente receitas líquidas significativamente menores em investimentos de capital e investimentos de dívida.

No lado dos custos, os gastos operacionais tiveram um aumento homólogo de 11% no último trimestre do ano passado, para 8.091 milhões de dólares, o que foi atribuído pelo banco, nomeadamente, às despesas com tecnologia e ao aumento dos salários e bónus para seus funcionários.

Os custos operacionais no acumulado do ano foram de 31,16 mil milhões de dólares em 2022, 2% abaixo de 2021. O rácio de eficiência do banco em 2022 foi de 65,8%, pior do que os 53,8% em 2021.

O presidente executivo, David Solomon, citado no comunicado, disse que, apesar do “contexto económico desafiador”, o banco obteve um “retorno de dois dígitos” para os acionistas em 2022.

 

Recomendadas

MDS compra mediadora Pacific Insurance

A MDS comprou a Pacific Insurance e desta forma anexa 4 milhões de euros em prémios à sua carteira de seguros.

“Não vejo as fintech como uma grande ameaça à banca”. Veja a entrevista ao CEO da Nickel, Thomas Courtois

A Nickel quer abrir 2.500 balcões e alcançar 450 mil clientes em Portugal nos próximos cinco anos, mas o CEO da fintech francesa não se compromete a manter a anuidade de 20,80 para sempre. A crise na banca abriu a porta a novos players, mas coexistência é possível, diz em entrevista à JE TV.

Justiça suíça abre processo sobre fuga de informação no Credit Suisse

Em fevereiro de 2022 foram expostas mais de 18 mil contas do Credit Suisse que estarão ligadas a empresários sobre os quais recaem sanções ligadas à violação dos direitos humanos, e pessoas envolvidas em esquemas de fraude.
Comentários