Lucros do Wells Fargo caem 50% no quarto trimestre

Os resultados do Wells Fargo foram pressionados pelo aumento das provisões para crédito, devido ao possível abrandamento da economia, e custos relacionados com más práticas.

Os lucros do Wells Fargo recuaram 50% no quarto trimestre do ano passado, pressionados pelo reforço das provisões para responder a um potencial abrandamento da economia e pelo aumento de custos relacionado com multas e reembolsos a clientes para resolver denúncias por alegadas más práticas.

O quarto maior banco norte-americano reportou um lucro de 0,67 dólares por ação no quarto trimestre terminado a 31 de dezembro, o que compara com 1,38 dólares por ação no período homólogo, avança a “Reuters”.

De acordo com a agência de notícias, o Wells Fargo registou 957 milhões de dólares em provisões para crédito, face a 452 milhões de dólares no mesmo período do ano anterior. Deste total, 397 milhões dizem também respeito à deterioração das previsões económicas.

“Entre os maiores bancos, o Wells Fargo foi o que apresentou os resultados mais fracos hoje. Continuam a dececionar”, refere Thomas Hayes, da Great Hill Capital.

Os resultados do banco também foram pressionados pelos mais de três mil milhões de dólares em multas e reembolsos a clientes para resolver as denúncias por alegadas más práticas e abusos ao consumidor, conforme foi avançado pelas autoridades em dezembro do ano passado.

Segundo os reguladores, o Wells Fargo, que nos últimos anos protagonizou vários escândalos relacionados com as suas práticas comerciais, cobrou de forma ilegal taxas e juros em empréstimos e aplicou encargos injustificados a contas bancárias, afetando milhões de clientes.

Relacionadas

EUA. Wells Fargo sai do mercado hipotecário, que chegou a liderar (com áudio)

O Wells Fargo anunciou esta terça-feira a saída do mercado hipotecário norte-americano. A empresa diz que em causa estão as crescentes pressões regulatórias e o impacto sentido pelo aumento das taxas de juro.
Recomendadas

BCE desce requisito de capital da CGD e mantém no BCP e Novobanco

O banco central liderado por Christine Lagarde reduziu o requisito de capital (pilar 2) de 2% para 1,90% no banco estatal, em 2023. No BCP e no Novobanco, manteve-se nos 2,5% e nos 3%, respetivamente.

Lucros do Société Générale recuam com aumento das provisões para malparado

Os lucros do terceiro maior banco francês recuaram mais de 60% em 2022, em comparação com o ano anterior, num período em que reforçou as provisões para responder ao aumento do crédito malparado.

Juiz recusa novas condições de fiança para o fundador da FTX

O juiz Lewis Kaplan recusou a nova proposta dos advogados para as condições de fiança de Sam Bankman-Fried.
Comentários