PremiumLucros em 2022 vão superar os bancos centrais?

Evolução dos mercados em 2022 entre o desempenho dos lucros e o andamento mais ‘hawkish’ das políticas monetárias.

A recuperação do mercado de trabalho dos EUA foi uma realidade em 2021 e a economia norte-americana aproxima-se rapidamente do pleno emprego – em dezembro a taxa de desemprego foi de 3,9%. No entanto, o objetivo foi em parte alcançado com um preço elevado, ou seja, uma subida histórica da inflação. A Reserva Federal dos EUA (Fed) procura agora rapidamente reverter a política monetária e são esperadas, atualmente, quatro subidas de juros em 2022, de acordo com os futuros das ‘Fed Funds Rate’ negociados na bolsa de derivados de Chicago.

Jerome Powell, presidente da Fed, prometeu esta semana apertar a política monetária se a inflação não melhorar até meados do ano, mas, ao mesmo tempo, referiu que a economia está suficientemente robusta para compensar a esperada política monetária mais contracionista, bem como uma agudização da covid-19 e aumento das infeções pela Ómicron. O aumento da inflação nos EUA para máximos de 1980 endureceu o discurso e a postura de Powell que afirmou que poderia mesmo começar a reduzir o balanço para travar a inflação, caso os preços não desacelerem após o encerramento dos estímulos em março e as primeiras subidas de juros.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPowerme: divulgar campanhas através de power banks

“A chegada da Powerme à área metropolitana do Porto e à região do Algarve é um passo importante que nos permite atingir, com Lisboa, uma audiência seis vezes superior”

PremiumTimor-Leste 20 anos depois

Volvidas duas décadas desde a independência, apesar dos progressos feitos na melhoria do nível de vida, os níveis de pobreza permanecem elevados. Quais são agora as prioridades, segundo Ramos-Horta, Ana Gomes e Helder da Costa.

PremiumNovo ‘managing partner’ da Sérvulo antevê “ambiente mais competitivo” na advocacia

Manuel Magalhães, sócio de Financeiro e ‘Governance’, sucede a Paulo Câmara em setembro. A nova comissão executiva da sociedade de advogados será anunciada daqui a dois meses.
Comentários