Lufthansa vê fim da interrupção de voos só a partir de 2023

A principal companhia alemã já anunciou o cancelamento de 2.200 ligações internas e europeias em julho e agosto, além das 900 divulgadas no início deste mês.

A Lufthansa acredita que as suas operações de voo só vão regressar à normalidade a partir de 2023, face ao cancelamento de 3.100 viagens do seu programa de verão deste ano devido à falta de pessoal, indica a “Reuters” este sábado, 25 de junho.

“Infelizmente, dificilmente conseguiremos alcançar uma melhoria a prazo no verão. A única opção por enquanto é reduzir o número de voos. No geral, esperamos que a situação volte ao normal em 2023”, referiu Detlef Kayser, membro do conselho da Lufthansa, em entrevista ao “Die Welt”.

A principal companhia alemã já anunciou o cancelamento de 2.200 ligações internas e europeias em julho e agosto, além das 900 divulgadas no início deste mês, o que representa cerca de 4% da capacidade da Lufthansa durante esse período, de acordo com um porta-voz.

A procura de viagens recuperou na Europa com o levantamento das restrições da Covid-19. Contudo, a escassez de mão de obra está a piorar à medida que um novo surto da pandemia faz com que mais funcionários não consigam trabalhar o que tem deixado os passageiros a esperar nas filas durante horas e ao cancelamento de voos em algumas companhias.

Recomendadas

Misericórdia contrata grupo Gabriel Couto para empreitada de 7,5 milhões

Reabilitação e construção de um empreendimento imobiliário no centro de Lisboa vai permitir a oferta de 32 novos apartamentos de tipologias diversas.

Media Capital passa de prejuízo a lucro de 40,7 milhões no primeiro semestre

A Media Capital passou de prejuízos de 8,4 milhões de euros no primeiro semestre de 2021 a lucros de 40,7 milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano, anunciou esta quinta-feira a dona da TVI.

Sector das TI pode ganhar 100 mil milhões com as empresas de média dimensão europeias

Hendrik Willenbruch, sócio da Oliver Wyman, diz que as organizações “recorrem cada vez mais a fornecedores externos, especialmente as médias empresas, que consideram mais difícil atrair talento num ambiente de escassez geral de especialistas em recursos” tecnológicos.
Comentários