Luís Filipe Vieira: “Não tenho dinheiro para pagar as dívidas” (com áudio)

Antigo presidente do Benfica disse que não tem dinheiro para pagar empréstimo de 160 milhões de euros, revela o “Correio da Manhã”.

Lusa

O antigo presidente do Benfica disse ao “Correio da Manhã” que não tem dinheiro para pagar ao Novo Banco um empréstimo no valor de 160 milhões de euros.

“Não tenho dinheiro para pagar as dívidas”, disse Luís Filipe Vieira ao “CM”. O ex-dirigente desportivo garante que vai entregar as ações que detém da Promovalor, empresa que reúne os ativos imobiliários mais importantes da família Vieira: “Já está tudo tratado para se entregar as ações”.

Neste momento faltam duas semanas para Vieira saldar este empréstimo junto do banco liderado por António Ramalho.

Este empréstimo foi concedido por Ricardo Salgado a Vieira através de uma emissão de dívida de Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC).

No final de agosto, ou Vieira paga ou o Novo Banco (sucessor do BES) pode tornar-se dono da Promovalor SGPS, a sociedade que reúne os ativos imobiliários mais relevantes da família do antigo dirigente desportivo.

A 10 de maio no Parlamento, Vieira anunciou que o Novo Banco vai tornar-se acionista da Promovalor por conversão das VMOC:

“As VMOCs vão ser convertidas em capital da Promovalor, e é por essa via que o banco vai receber tudo”, disse o presidente da Promovalor. Depois do reembolso do fundo, todo o remanescente vai para a Promovalor e o Novo Banco vai ser acionista da Promovalor. “Haverá pagamento”, disse na altura Vieira, então ainda presidente do Benfica.

No entanto, tal como o JE escreveu a 14 de maio, o Novo Banco poderá não estar inclinado a fazer isso, pois a conversão é um direito do Novo Banco e não uma obrigação, pelo que a decisão cabe somente ao banco de liderado por António Ramalho.

Recomendadas

Moody’s coloca em revisão para melhoria o rating das obrigações hipotecárias cobertas do Novobanco

A classificação de hoje da Moody’s é colocada em revisão para atualização. Esta revisão está sujeita ao esclarecimento do emitente sobre o compromisso de sobrecolateralização na sequência da implementação da nova lei portuguesa de obrigações cobertas, que entra em vigor em julho, e que elimina qualquer requisito de sobrecolateralização para futuras emissões ao abrigo da nova lei.

Moody’s. Subida rápida dos juros impulsionada pela inflação será “faca de dois gumes” para os bancos

“Se os bancos centrais não aumentarem as taxas de juro, a qualidade dos ativos dos bancos permanecerá forte e os custos do risco de crédito baixos, com uma procura de empréstimos mais robusta. No entanto, a receita da margem financeira não subirá e, em última análise, uma inflação mais elevada poderá levar os bancos centrais a um ciclo de aperto mais súbito e prejudicial mais tarde”, alerta a agência de rating.

Dificuldades no acesso a capital travam empreendedorismo em Portugal

De acordo com um estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, “as restrições financeiras dificultam principalmente o tipo de empreendedorismo de alto potencial que impulsiona a criação de empregos e o crescimento económico”.
Comentários