Luís Montenegro apela a António Costa que baixe já IVA da eletricidade, gás e combustíveis

O presidente do PSD acusa António Costa de ser incapaz de reconhecer que o projeto do PS para o sector da saúde faliu, alertando que o “caos vai continuar”. Sobre a escalada dos preços, pede que o primeiro-ministro avance já com a redução do IVA na eletricidade, gás e combustíveis.

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido, na sede de campanha, em Espinho, 28 de maio de 2022. Segundo os resultados provisórios anunciados das eleições diretas, Luís Montenegro alcançou 73% dos votos e Jorge Moreira da Silva 27%, com a abstenção a rondar os 35%. MANUEL FERNANDO ARAUJO/LUSA

Luís Montenegro deixou várias críticas a António Costa no encerramento da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide. O presidente do partido acusa o primeiro-ministro de estar já a “matar o próximo ministro da Saúde” que virá substituir Marta Temido, uma vez que não admite que o plano para a saúde falhou. Quanto à escalada dos preços, apela ao Governo para que avance já com a redução dos impostos na eletricidade, gás e combustíveis “porque é agora que as pessoas precisam”.

“Vai mudar de ministra mas a política é a mesma. António Costa já está a matar o próximo ministro da Saúde” uma vez que o “primeiro-ministro não tem humildade para reconhecer que o projeto faliu”, disse Luís Montenegro este domingo naquela que é a tradicional rentrée social-democrata, notando que o “caos na saúde vai continuar”.

“Nunca na nossa história o sector privado ganhou tanto dinheiro em Portugal”, perante o aumento dos seguros de saúde contratados, referiu Montenegro, dizendo que “o maior amigo do sector privado é António Costa”.

O discurso foi também marcado pelo tema da inflação. “Estamos com uma escalada de preços”, num cenário em que “aquilo que é mais básico na vida das pessoas está muito mais caro” e os “salários têm muito menos valor do que tinham”, disse. Nesse sentido, apelou ao Governo para que tome já medidas.

“Portugal precisa de medidas fiscais na energia”, sublinhou, notando que a Europa já está a baixar a fiscalidade. “Faço um apelo: que seja amanhã”, disse Montenegro, pedindo a António Costa que baixe o IVA da eletricidade, do gás e dos combustíveis para 6%. O Executivo reúne-se esta segunda-feira para apresentar um pacote de medidas para as famílias.

“Faça-o transitoriamente, mas faça-o agora porque é agora que as pessoas precisam”, disse Luís Montenegro, notando que o PSD já alertou para a necessidade de aplicar estas medidas há vários meses.

O PSD apresentou na semana passada um conjunto de medidas para se enfrentar os efeitos da crise económica e financeira. O partido propôs um vale alimentar no valor de 40 euros por mês para todos os pensionistas e reformados que recebem uma pensão/reforma até 1.108 euros com efeito entre os meses de setembro e dezembro, mas também desafiou o Governo a avançar com a redução do IVA dos combustíveis, eletricidade e gás da taxa normal para a taxa reduzida (6%).

Relativamente às pensões, o presidente do PSD acusou o Governo de andar a fazer “propaganda” com o aumento das pensões. “António Costa vai fazer em setembro aquilo que lhe propusemos fazer em maio”, disse.

“Espero que António Costa ponha ordem na casa” e que este Governo “deixe de ser notícia pelas gafes”, rematou.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários