Luís Neves: “A Polícia Judiciária não lava a face a ninguém”

“Nós também cometemos por vezes os nossos lapsos”, disse o diretor nacional da Polícia Judiciária, que minutos admitira que a fuga de João Rendeiro teve impacto negativo na imagem de Portugal.

O primeiro-ministro, António Costa (2E) e a ministra da Justiça, Francisca Van Dunen (E), preside à posse de Luís Neves (C) como diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ) em cerimónia no Ministério da Justiça, 18 de junho de 2018, em Lisboa. TIAGO PETINGA/LUSA

O diretor nacional da Polícia Judiciária, Luís Neves, recusou que a investigação que conduziu à detenção de João Rendeiro na África do Sul neste sábado permita “lavar a face” da justiça portuguesa pela forma como foi permitido que o fundador do Banco Privado Português (BPP) saísse do país e não regressasse para cumprir pena de prisão efetiva por condenações transitadas em julgado.

“Nós também cometemos por vezes os nossos lapsos. A Polícia Judiciária (PJ) não lava a face a ninguém”, disse numa conferência de imprensa na manhã deste sábado o responsável pela força policial de investigação criminal. No entanto, minutos antes admitira que a fuga de Rendeiro tivera um impacto negativo na imagem de Portugal.

O diretor nacional da PJ destacou a forma como uma “equipa de trabalho em permanência”, constituída por elementos das unidades de Combate à Corrupção, de Informação Criminal e de Cooperação Internacional, “conseguiu encurtar o caminho para encontrar” o antigo banqueiro, sobre quem recaem três condenações a pena efetiva.

“Só a capacidade de resistência à frustração, resiliência, garra e profissionalismo permite que possamos partilhar com todos os portugueses que a PJ mais uma vez fez o que lhe compete”, defendeu Luís Neves, destacando o “espírito de sacrifício e capacidade de sofrimento” da sua equipa.

Igualmente salientado foi o papel do responsável pelo Serviço de Investigação Criminal de Angola, Arnaldo Carlos, que “fez a ponte com as autoridades policiais da África do Sul”. O cumprimento do mandado de detenção internacional do ex-banqueiro terá sido facilitado por um encontro entre Luís Neves e o comissário-geral da polícia sul-africana, general Kehla Sithole, no decurso da Assembleia Geral da Interpol, realizada em Istambul entre 20 e 24 de novembro.

Relacionadas

Diretor nacional da PJ confiante na extradição de João Rendeiro da África da Sul

Luís Neves destacou cooperação internacional com altos responsáveis policiais sul-africanos e angolanos e disse que Portugal realça a “grande capacidade económica” e “grande capacidade de fuga” do ex-banqueiro como argumento para que fique em prisão preventiva até haver decisão quanto à extradição. Procuradoria-Geral da República emitiu um documento de sustentação.

Polícia Judiciária anuncia que João Rendeiro foi detido

Ex-presidente do Banco Privado Português foi detido na manhã deste sábado, no cumprimento de um mandado de detenção internacional. Polícia Judiciária vai revelar detalhes da operação numa conferência de imprensa, estando a ser noticiado que Rendeiro se encontrava na África do Sul.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários