Luis Parreirão deixa SATA e regressa à Mota SGPS

Luís Parreirão regressa ao setor privado e ao grupo Mota Gestão e Participações SGPS, depois de renunciar ao cargo de CEO do grupo de transporte aéreo açoriano SATA.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Luís Parreirão regressa ao setor privado e ao grupo Mota Gestão e Participações SGPS, depois de renunciar ao cargo de CEO do grupo de transporte aéreo açoriano SATA.

O Governo Regional dos Açores informou, em nota à comunicação social, que Luís Parreirão cessou a 30 de novembro e a seu pedido, as funções de presidente do conselho de administração do grupo.

O gestor exercia funções de administrador da SATA desde maio de 2013 e assumiu a presidência em maio do ano passado.

Parreirão confirmou que irá continuar a atividade profissional no setor privado e adiantou que  a sua passagem pela gestão da SATA “foi uma experiência profissional e pessoal que o marcou de forma indelével e da qual resulta um acreditar sem mácula no futuro da empresa”.

Frisou que “ao entrar no seu 75º ano de atividade, o grupo SATA aposta fortemente na sua preparação para o futuro, definindo prioridades, racionalizando as suas operações, enfrentando com sucesso um mercado concorrencial, renovando a sua frota e ajustando a sua dimensão”.

Sublinhou ainda “a sua certeza na perene afirmação da SATA, assente na vontade de todos de a transformar numa companhia cada vez melhor, e fortemente motivada para as mudanças que os novos tempos impõe.”

OJE

Recomendadas

Emissão obrigacionista da Sonangol é “bem vinda” para a bolsa angolana

Segundo o responsável do Departamento de Desenvolvimento de Mercado da Bodiva, Nivaldo Matias, a iniciativa da Sonangol ainda não foi dada a conhecer formalmente à instituição, contudo, a decisão da petrolífera é “bem-vinda”.

Novabase suspende programa de recompra de ações

A tecnológica já tinha suspendido o programa em junho, tendo depois voltado a retomá-lo. Segundo informação publicada nessa altura, o programa estava previsto durar até 31 de dezembro de 2023.

Trabalhadores da Autoeuropa rejeitam pré-acordo laboral que previa aumento de 5,2%

Dos mais de cinco mil trabalhadores da fábrica de automóveis da Volkswagen, em Palmela, no distrito de Setúbal, só 3.865 exercerem o direito de voto, 2.007 dos quais votaram contra o pré-acordo e 1.826 a favor. Houve ainda 10 votos nulos e 22 brancos.