Luís Rosa: “Costa e Centeno devem uma explicação pela situação do Banif”. Veja o “Discurso Direto”

Discurso Direto é um programa do Novo Semanário e do Jornal Económico onde todas as semanas são entrevistados os protagonistas da política, da economia, da cultura e do desporto. Veja a entrevista ao jornalista Luís Rosa, autor do livro “O Governador”.

O autor de “O Governador” defende, em entrevista ao programa “Discurso Direto”, que a principal revelação do polémico livro que aborda os dois mandatos de Carlos Costa à frente do Banco de Portugal tem a ver com o Banif, apesar de esse tema ter sido menos mediatizado do que as alegadas interferências políticas no tratamento de Isabel dos Santos que levaram o primeiro-ministro a anunciar que vai processar o antigo responsável pelo banco central.

O jornalista Luís Rosa revela que havia uma alternativa à resolução do banco, que custou dois mil milhões de euros aos contribuintes portugueses, e recorda que, na sessão de apresentação do seu livro, Marques Mendes destacou que vê motivos para o Ministério Público fazer uma investigação criminal a um processo que envolve uma notícia de rodapé na TVI que levou a uma corrida ao levantamento de depósitos e uma carta do recém-empossado primeiro-ministro António Costa enviada a Jean-Claude Juncker e a Mario Draghi em que se referia ao Banif como estando em pré-resolução numa altura em que havia interessados na sua compra.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários