Lula da Silva acusa Bolsonaro de seguir exemplo nazi de destruição da cultura

“Como na Alemanha nazi, querem destruir o Brasil começando pela cultura. Vamos resistir como já resistimos a outros pesadelos”, afirmou o ex-presidente brasileiro perante milhares de apoiantes no Rio de Janeiro, na primeira intervenção pública na cidade após 580 dias na prisão.

Ueslei Marcelino/Reuters

O antigo presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva acusou na quarta-feira o Governo de Jair Bolsonaro de querer destruir o Brasil a começar pela cultura, tal como na Alemanha nazi.

“Como na Alemanha nazi, querem destruir o Brasil começando pela cultura. Vamos resistir como já resistimos a outros pesadelos”, afirmou Lula perante milhares de apoiantes no Rio de Janeiro, na primeira intervenção pública na cidade após 580 dias na prisão.

O antigo chefe de Estado brasileiro (2003-2010) disse que através da cultura o povo brasileiro “vai fazer a revolução que precisa” e garantiu: “vamos governar novamente este país”.

“É preciso lembrar que a censura imposta pelo atual Governo não é apenas sobre a cultura. É também ao conhecimento”, disse o antigo Presidente.

A eliminação do Ministério da Cultura, a redução do orçamento, não só para os programas artísticos, mas também para a educação e a ciência, a censura a exposições, filmes e programas de televisão por conteúdos “inadequados” são algumas das medidas adotadas pelo governo ultraconservador de Bolsonaro.

Recomendadas

Mercosul. Pedido de adesão uruguaio a outro bloco marcará cimeira

Uma cimeira “entretida” do Mercosul é a expectativa do Uruguai, país anfitrião e atual presidente do grupo comercial, para o próximo encontro regional onde o controverso pedido de adesão uruguaio a outro bloco comercial estará em debate.

Presidente israelita encontra-se com rei de Bahrein na primeira visita ao país

O rei do Bahrein, Hamad bin Isa al-Khalifa, recebeu este domingo o presidente de Israel, na primeira visita oficial de um chefe de Estado israelita ao reino após as duas nações terem estabelecido relações diplomáticas em setembro de 2020.

Blinken avisa Netanyahu sobre novos colonatos na Cisjordânia

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, avisou este domingo que os Estados Unidos se vão opor ao estabelecimento de novos colonatos na Cisjordânia ocupada pelo próximo governo israelita, quando Benjamin Netanyahu está prestes a voltar ao poder em Israel.
Comentários