Lusiaves inicia internacionalização em Espanha

Em entrevista exclusiva, o presidente do grupo revela que estão a ser estudadas várias oportunidades e mercados externos. O grupo da Figueira da Foz deverá fechar 2016 com 400 milhões de faturação.

A empresa portuguesa Lusiaves, especializada na produção de frangos, vai iniciar o seu processo de internacionalização por Espanha. Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, Avelino Gaspar, presidente da Lusiaves, revela que “estão a ser analisadas vários mercados e oportunidades”.

“No entanto, o mercado espanhol é uma das hipóteses mais fortes para instalarmos centro de distribuição e armazenagem e, eventualmente, transformação”, adiantou Avelino Gaspar.
Neste momento, as exportações do Grupo Lusiaves representam cerca de 10% da faturação do grupo.

“Atualmente exportamos produtos frescos, sobretudo, para mercados mais próximos como Espanha, França, Alemanha, Itália, Luxemburgo e Suíça”, explica Avelino Gaspar.
O Grupo Lusiaves deverá fechar o presente exercício com uma faturação acima dos 400 milhões de euros, o que representa um crescimento de 10% do volume de negócios face a 2015.
Por seu turno, o EBITDA da Lusiaves em 2016 deverá chegar aos 40 milhões de euros.

“A aposta do Grupo Lusiaves consiste em consolidar a liderança de mercado em Portugal e, em simultâneo, procurar aumentar o peso das exportações do grupo. A experiência além-fronteiras demonstra igualmente que a qualidade superior dos nossos produtos é reconhecida cada vez mais, o que nos transmite grande confiança no reforço desse peso exportador”, acredita este responsável do Grupo Lusiaves.

Avelino Gaspar acrescenta que “os principais mercados de produtos congelados estão em África, Ásia e América do Sul”.
No entender deste responsável, “o nosso objetivo é crescer em todos estes mercados, mas também afirmar-nos em novos mercados, sendo o Médio Oriente uma geografia interessante em termos de exportações e onde já temos as certificações necessárias para operar, nomeadamente a certificação Hallal”, exigida pela religião islâmica.
Há cerca de duas semanas, o Grupo Lusiaves anunciou o investimento de cerca de 200 milhões de euros nos próximos cinco anos.

“O investimento será realizado em todas as atividades do grupo, desde a produção de milho, à produção de galinhas, ovos, pintos, frangos, frangos do campo, perus, rações, valorização de subprodutos , produção de energia, centros de distribuição, viaturas e no processo de internacionalização”, assegura Avelino Gaspar.

Este investimento da Lusiaves irá permitir o reforço da atividade em todas as áreas ao longo dos próximos cinco anos.
“O plano de investimentos (…) apresentado destina-se a contribuir para o reforço da liderança do grupo neste sector, sendo nossa convicção que daqui a cinco anos teremos dado passos muito importantes para tornar o grupo muito mais eficiente e sustentável, mas sem esquecer a sua responsabilidade social” defende o presidente da Lusiaves.
Está também previsto o lançamento de produtos “que vão ao encontro das necessidades dos consumidores, à base de aves, fáceis de preparar e cozinhar de qualidade e valor acrescido”.

Avelino Gaspar sublinha que o Grupo Lusiaves “aposta na verticalização do negócio, o que significa que assegura todo o processo de produção, desde o ovo até ao frango”.
“O ‘core business’ do grupo irá continuar a concentrar-se na produção de aves, apesar de também se dedicar à comercialização de produtos transformados oriundos da proteína animal, desde a carne ao peixe”, observa o presidente da Lusiaves.

Recomendadas

El Corte Inglés contrata mais de 500 colaboradores para o Natal

“Para além deste período de Natal, há ainda possibilidade de permanecerem em contratos futuros, tal como tem acontecido em anos anteriores”, garante a empresa.

Bosch Industry Consulting abre escritório em Espanha

As operações da Bosch Industry Consulting em Espanha irão beneficiar da existência do centro de competências da Bosch em Aveiro.

EDP Brasil emite papel comercial no valor de 292 milhões de euros para amortizar dívida ao BNDES

O objetivo da emissão é realizar o pagamento antecipado da dívida com o Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social – BNDES, no montante aproximado de 470 milhões de reais e distribuir o restante ao acionista, diz a empresa.
Comentários