Lusiaves vai investir 200 milhões de euros até 2021

Grupo da Figueira da Foz quer reforçar produção na vertente interna e iniciar processo de internacionalização.

O Grupo Lusiaves vai investir 200 milhões de euros nos próximos cinco anos “com o objetivo de aumentar a capacidade de produção, disponibilizar novos produtos, integrar novas áreas de negócio e apostar na internacionalização”.

Este anúncio foi feito hoje por Avelino Gaspar, fundador e presidente do Grupo Lusiaves, no evento que assinalou os 30 anos de existência da empresa, que decorreu no Teatro Miguel Franco, em Leiria, e contou com a participação do ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos.

De acordo com um comunicado do grupo a que o Jornal Económico teve acesso, “a concretização desta intenção de investimentos irá proporcionar ao grupo a capacidade de reforçar a liderança de mercado em Portugal e, em simultâneo, expandir-se para outros territórios”.

Na cerimónia que teve hoje lugar, Avelino Gaspar destacou que “o crescimento e a verticalização da atividade do Grupo Lusiaves foram alicerçados no espírito de equipa, no querer e no fazer bem, no respeito para com o outro e na vontade e capacidade de crescer solidamente”.

“Quanto maiores somos, maior é a dimensão do que ainda temos de fazer e maiores serão as nossas responsabilidades”, assegurou o presidente da Lusiaves.

Nesta mesma ocasião, o ministro da Agricultura salientou que ”num país que regista o maior consumo ‘per capita de carne de aves na Europa Comunitária, que é o caso de Portugal, este é sem dúvida um subsetor relevante no que diz respeito ao autoaprovisionamento alimentar”.

“No entanto, é também uma prioridade abrir novos mercados para a exportação do setor, que inclui cerca de 2.500 empresas”, alertou Luís Capoulas Santos.

Fundado em 1986 na Marinha das Ondas, na Figueira da Foz, o Grupo Lusiaves exporta hoje para 21 países, integra 20 empresas, tendo 36 unidades distribuídas por 24 concelhos e emprega 2.500 colaboradores diretamente e 2.000 de forma indireta.

Segundo o referido comunicado da empresa, “a inovação tecnológica na área de incubação coloca a empresa entre uma das cinco melhores empresas do setor ao nível europeu”.

O Grupo Lusiaves assegura todo o processo produtivo, operando em todas as etapas da sua cadeia de valor e integrando a totalidade da fileira, desde a produção de milho; produção de alimentos compostos para animais; produção de ovos para incubação; incubação de ovos e produção de pintos; produção avícola de frango, frango do campo e perus; abate de aves; transformação de produtos alimentares; armazenamento e comercialização; saúde e nutrição animal; e valorização de subprodutos.

A Lusiaves produz anualmente mais de 100 milhões de ovos, 100 milhões de pintos e 100 milhões de frangos, tendo facturado no ano passado 390 milhões de euros.

As exportações valeram cerca de 10% do volume de negócios da Lusiaves no ano passado, sendo os principais destinos externos Espanha, Alemanha, França, Itália, Luxemburgo, Suíça, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Congo, Brasil e Peru.

Fundado em 1986 na Marinha das Ondas, na Figueira da Foz, o Grupo Lusiaves exporta para 21 países, enquanto em portugal tem 36 unidades de produção distribuídas por 24 concelhos.

 

Recomendadas

Startup de biotecnologia alemã angaria 8,5 milhões e vai recrutar em Portugal (com áudio)

“Os produtos da MicroHarvest vão ter várias aplicações, entre as quais, por exemplo, como um ingrediente para as rações de aquacultura”, garante o investidor Carlos Esteban, da sociedade portuguesa Faber.

Estes são os finalistas do Prémio Empreendedorismo e Inovação do Crédito Agrícola

Vegan Bio Foods, Portugal Bugs e Ethical Meat destacaram-se na categoria de Alimentação. Saiba quais são os restantes candidatos a vencedores dos prémios anuais do banco.

Restaurant Brands Iberia notifica Autoridade da Concorrência da compra da Burger King

A notificação da operação de concentração de empresas foi efetuada a 8 de agosto e dá conta da aquisição pela RBI do controlo exclusivo sobre a Iber King Restauração e sobre a Lucra, detidas pelo grupo Ibersol, e sobre um conjunto de estabelecimentos que operam em Portugal e Espanha sobre a marca Burger King.
Comentários