MAAT enquanto palco de utopias celebra “48 artistas, 48 anos de democracia”

No dia 10 de junho, 48 artistas de várias gerações vão recriar o “Painel do Mercado do Povo” nos jardins do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa. Uma iniciativa que integra as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril.

O MAAT transformou-se, com “Interferências”, num palco de utopias. Os curadores Carla Cardoso, Alexandre Farto e António Brito Guterres conceberam uma exposição coletiva que mostra diferentes expressões da cultura urbana, e que coloca o museu no lugar de ponto de encontro. Lá está, de utopias, anseios, tensões, sensibilidades, visões, comunidades, lutas, histórias.

A exposição reúne obras de Ana Aragão, Carlos Bunga,  Rappepa Bedju Tempu, Herberto Smith, Kiluanji Kia Henda, Mónica de Miranda, Petra Preta, Isabel Brison, Wasted Rita, Tristany, Unidigrazz, Xullaji, entre muitos outros artistas que usam a rua como “tela” para expetrimentar e comunicar.

É neste contexto que surge a reinterpretação, nos jardins do MAAT, do Painel do Mercado do Povo, intervenção mural coletiva promovida pelo Movimento Democrático dos Artistas Plásticos realizada a 10 de junho de 1974. A ideia é recriar um momento histórico de celebração da liberdade, realizado há exatamente 48 anos, ao longo de um dia num painel de 24 metros de comprimento por 3,5 de altura no depósito de nafta da Central Tejo.

Se em 1974, os artistas que o pintaram festejavam o fim da ditadura, 48 anos depois novos rostos recriam a obra para celebrar quase meio século de democracia em Portugal.

O novo mural, integrado em “Interferências — Culturas Urbanas Emergentes”, foi ideia de João Pinharanda, diretor do MAAT. Aos curadores coube convocar alguns dos novos artistas que participam neste projeto, e também artistas consagrados como Joana Vasconcelos, Pedro Cabrita Reis, Vhils, Fernanda Fragateiro, Ana Pérez-Quiroga, Emília Nadal, Teresa Magalhães, Xana e Eurico Gonçalves, entre muitos outros.

A criação desta peça é uma iniciativa que integra as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, decorre ao longo do dia 10 de junho, entre as 10 e as 22h, no espaço exterior do MAAT, e o público é convidado a assistir à intervenção.

Recomendadas

Arranca hoje a 39ª edição do Festival de Almada sob o signo do encontro e do espanto

De 4 a 18 de julho o teatro fala mais alto e todas as questões sobem ao palco. Para sorrirmos, pensarmos, refletirmos, questionarmos. Encontro marcado em Almada e Lisboa.

Helena Coelho arrasa Miguel Milhão da Prozis: “Não compro uma única coisa mais…”

O fundador da Prozis, Miguel Milhão, está no centro da polémica, após concordar com a decisão do Supremo Tribunal dos Estados Unidos em revogar a lei do aborto, que vigorava há mais de 50 anos. Perante a sua posição, várias figuras públicas deixaram de colaborar com a marca de nutrição desportiva, como é o caso de Jessica Athayde, Marta Melro ou Diana Monteiro. A apresentadora Helena Coelho é uma das mais críticas: “é a prepotência e arrogância de quem “não precisa de Portugal”.

Confronto entre Leonor Poeiras e a TVI adiado por Cristina Ferreira ter faltado ao julgamento

A apresentadora pede mais de 1 milhão de euros como indemnização. Cristina faltou ao julgamento por ter de se deslocar ao Porto em trabalho, para marcar presença num evento promovido por Mário Ferreira.
Comentários