Macau regista em novembro queda de 43,5% no número de visitantes em excursões

O número de pessoas que visitou Macau em excursões caiu 43,5% em novembro, em relação a igual período de 2018, indicou hoje a Direção de Serviços de Estatística e Censos (DSEC).

Em comunicado, a DSEC sublinhou que o número de excursionistas de todos os países e territórios diminuiu, exceto o de visitantes provenientes da Malásia (7.100), que aumentou 20,7% em termos homólogos.

Ao todo, 511 mil pessoas visitaram Macau em excursões em novembro.

Os excursionistas do interior da China (381 mil), da Coreia do Sul (36 mil), de Hong Kong (7.100) e de Taiwan (60 mil) desceram, respetivamente, 47,1%, 38,8%, 52,8% e 4,6%.

Entre janeiro e novembro deste ano, o número de visitantes em excursões foi de cerca de 7,8 milhões, menos 4,9%, comparativamente ao mesmo período de 2018, acrescentou a DSEC.

Já os hotéis e as pensões de Macau receberam, em novembro, 1,16 milhões de pessoas, uma queda homóloga de 2%, segundo as autoridades.

A taxa de ocupação média dos hotéis e pensões atingiu, no mês em análise, 91,8%, menos 2,2 pontos percentuais, em termos anuais. O período médio de permanência foi de 1,5 noites, mais 0,1 noites, em relação a novembro de 2018.

Nos 11 primeiros meses de 2019 alojaram-se 12,882 milhões de hóspedes nos hotéis e pensões do território, mais 1,4% relativamente a igual período de 2018.

Recomendadas

Premium“Para quem não tenha notado, a Rússia vai ficar ali” e a segurança da Europa passa por lá

As palavras do presidente francês cairam mal na invadida Ucrânia e nos longínquos EUA. Entretanto, ninguém sabe quais serão as consequências da decisão sobre petróleo russo.

PremiumPaíses ocidentais com fortes reservas face à coligação em Israel

A colocação de um extremista, racista e adepto da violência na direção do ministério que trata da segurança interna do país é considerado um desastre em potencial. A não ser que Netanyahu queira fazer com Itamar Ben-Gvir o mesmo que fez há uns anos com Ben Gantz.

Ucrânia. Putin diz não saber se poderá confiar num eventual acordo de paz com Kiev

O Presidente russo, Vladimir Putin, defendeu hoje que será necessário um acordo “no final” do conflito na Ucrânia, mas disse ter dúvidas sobre a confiança que Moscovo poderá depositar nos seus interlocutores.
Comentários