Macron promete “nova abordagem” durante tomada de posso para o segundo mandato

Num breve discurso durante a cerimónia, Macron falou da “necessidade de inovar” num momento de desafios sem precedentes para o mundo e para a França, e disse que o seu segundo mandato seria “novo” e não apenas uma continuação dos seus primeiros cinco anos no cargo.

Emmanuel Macron foi este sábado, 7 de maio, empossado para o seu segundo mandato como presidente de França. Durante a cerimónia prometeu liderar o país com uma “nova abordagem”, antecipando o início da campanha eleitoral dos seus rivais políticos para as eleições legislativas que arranca no próximo mês.

Num país onde os presidentes raramente são reeleitos, Macron obteve 58,5% dos votos na segunda volta contra Marine Le Pen, candidata de extrema-direita, apesar da impopularidade das propostas pró-negócios e aumento da idade da reforma.

Num breve discurso durante a cerimónia, Macron falou da “necessidade de inovar” num momento de desafios sem precedentes para o mundo e para a França, e disse que o seu segundo mandato seria “novo” e não apenas uma continuação dos seus primeiros cinco anos no cargo.

“Precisamos de inventar juntos um novo método, longe de tradições e rotinas cansadas, com o qual possamos construir um novo contrato produtivo, social e ecológico”, disse ele, prometendo agir com “respeito” e “consideração”.

Entre os 500 convidados presentes estavam os ex-presidentes François Hollande e Nicolas Sarkozy, os ex-primeiros-ministros Edouard Philippe, Manuel Valls, Alain Juppe e Jean-Pierre Raffarin, além de líderes religiosos e outras figuras estatais.

Hollande, que apoiou Macron na votação da segunda volta em 24 de abril, disse aos jornalistas após a cerimónia que Macron não se podia dar ao luxo de reproduzir os “métodos de ontem”.

“O que percebemos nesta eleição foi que há mais cidadãos (que votaram) por rejeição, e não por esperança”, disse Hollande.

Recomendadas

França nega “obstáculo” às exportações russas e vê “instrumentalização”

A presidência francesa defendeu hoje que não existe “obstáculo” às exportações de produtos agrícolas russos, considerando as críticas nesse sentido do chefe de Estado da Rússia, Vladimir Putin, uma tentativa de “instrumentalização política”.

EUA propõem Zelensky na cimeira do G20 se Putin também participar

Os EUA propuseram que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, também participe na cimeira dos líderes do G20 se o seu homólogo russo, Vladimir Putin, aceitar o convite da Indonésia e comparecer na reunião, marcada para novembro em Bali.

Líder da junta de Myanmar disposto a negociar com Suu Kyi após julgamento

O líder da junta no poder em Myanmar declarou-se hoje disposto a negociar pós-julgamento com a ex-dirigente Aung San Suu Kyi uma solução para a crise desencadeada no país pelo golpe de estado militar de 2021.
Comentários