‘Made in Portugal’. Pandemia aumentou consumo de produtos nacionais

“Viu-se uma aposta na portugalidade e no quilometro 0”, disse o presidente da Portugal Foods, Amândio Santos durante a primeira conferência do ciclo “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” na qual o Jornal Económico foi ‘media partner’.

Embora tenha causado estragos na economia nível mundial, a pandemia potencializou a relação entre os produtores e a indústria tendo, consequentemente, impulsionado a venda e distribuição de produtos nacionais interna e externamente.

“No início do confinamento na Europa foi muito complexo. Houve uma rutura total das cadeias de abastecimento que nos levou a perceber a importância dos produtos próximos de nós”, disse o presidente da Portugal Foods, Amândio Santos durante a sua intervenção na primeira conferência do ciclo “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” que teve como tema “Conhecimento e inovação na década da transição digital”, que decorreu esta quarta-feira e na qual o Jornal Económico foi media partner.

“Viu-se uma aposta na portugalidade e no quilometro 0”, continuou. “O local tem hoje um valor emocional que é transformado em valor económico para as empresas”, reforçou, acrescentando que com esta aposta no made in Portugal também o consumidor passou a optar por produtos de origem nacional.

De acordo com o Observador Cetelem Consumo 2020, a maioria dos portugueses inquiridos (52%) aponta que o consumo de produtos nacionais é um “dever”, enquanto 30% admite que este é um desafio proposto pelos mesmos de forma a consumir mais Portugal.

Perto de 49% dos portugueses inquiridos apontam que o consumo de produtos nacionais é “prioritário” e 45% definem o consumo de produtos portugueses como “importante”.

Segundo Ondina Afonso, presidente do Clube de Produtores Continente, a chegada do Covid-19 influenciou muitos consumidores a fazer uma alteração na alimentação. Entre a cadeia de supermercados da Sonae, a responsável revelou que se registou um aumento da procura por citrinos, por estarem relacionados com a vitamina C, e legumes, o que por sua vez, permitiu que houvesse um crescimento nas vendas.

“Esta mudança de consumo de padrões e a valorização daquilo que é a produção nacional foi importante para crescer vendas”, explicou, acrescentando que desta forma, foi “possível manter os níveis de abastecimento como se nada estivesse a acontecer”, acrescentou.

Recomendadas

CAP, IEFP e ANAPEC assinam acordo para recrutar 400 trabalhadores marroquinos para agricultura

Projeto piloto com início ainda em 2022 tem como objetivo o levantamento das necessidades, negociação e partilha das ofertas de emprego, a informação pré-partida aos candidatos relativa às condições de vida e trabalho em Portugal, o recrutamento e seleção dos trabalhadores, em Marrocos e o acompanhamento da integração dos trabalhadores nas empresas associadas.

Agricultura. Já há guias orientadores do Plano Estratégico da PAC

Os guias orientadores das medidas e instrumentos disponibilizados pelo Plano Estratégico da Política Agrícola Comum em Portugal (PEPAC) já estão disponíveis ‘online’, prevendo-se que este instrumento comece a ser operacionalizado no início de 2023, anunciou hoje o executivo.

Bruxelas dá ‘luz verde’ ao plano estratégico português de 6.700 milhões para PAC

“Hoje [quarta-feira] a Comissão Europeia aprovou o primeiro pacote de planos estratégicos da PAC para sete países: Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Polónia, Portugal e Espanha”, anuncia o executivo comunitário em comunicado hoje divulgado.
Comentários