Madeira: CDS destaca que empresas ficam a ganhar quando permitem conciliação entre a vida pessoal e familiar

Ana Cristina Monteiro sublinhou que cabe a cada entidade empregadora adotar as medidas legalmente exigíveis e de cumprimento obrigatório, frisando que estas não devem limitar-se apenas ao que está legalmente previsto e possam ir mais além.

A deputada do CDS Ana Cristina Monteiro destacou, esta quarta-feira, em Plenário, na Assembleia Legislativa da Madeira, que as empresas ficam a ganhar quando permitem a conciliação entre a vida pessoal e familiar.

Ana Cristina Monteiro sublinhou que cabe a cada entidade empregadora adotar as medidas legalmente exigíveis e de cumprimento obrigatório, frisando que estas não devem limitar-se apenas ao que está legalmente previsto e possam ir mais além.

Nesse sentido, a centrista realça que se os funcionários estiverem numa situação positiva, “obviamente a empresa receberá em troca uma maior produtividade dos seus trabalhadores”.

A deputada frisa ainda que na Região está a decorrer o quarto Plano Regional para a Igualdade e Cidadania Ativa, até 2025, com grande destaque para a conciliação da vida laboral e familiar.

Recomendadas

Câmara do Funchal lança campanha gratuita de recolha de “monstros”

O Município justifica a importância desta campanha, dado o aumento da produção de resíduos na quadra natalícia que se avizinha e de forma a garantir uma maior proximidade com a população. Os munícipes deverão contactar as respetivas Juntas de Freguesias para a devida inscrição, de modo a solicitar a recolha dos “monstros” na sua residência.

Madeira: Movimento de passageiros nos aeroportos ficaram a mais de 30% acima dos valores de 2019

Entre janeiro e setembro de 2022, o movimento de passageiros nos aeroportos da RAM foi de aproximadamente 3.062,5 mil, significando um acréscimo homólogo de 134% e de 17% face aos valores registados nos primeiros nove meses de 2019. 

Madeira com défice de oito milhões de euros

À semelhança do ano anterior, mais de metade da despesa (51,9% da despesa total) foi canalizada para a área social, onde se destaca o sector da Saúde com uma execução orçamental de 280,3 milhões de euros e a Educação com 296,5 milhões de euros.
Comentários